No meio da temporada, o Milan precisou voltar ao quadro negro

Graças ao seu apoio, as colunas das cinco grandes ligas da Europa estão de volta, e quinta é dia da Fuoriclasse, com informações e análises sobre o futebol italiano. Faça parte do nosso financiamento coletivo no Apoia.se e nos ajude a bater mais metas.

A janela de transferências chega ao último dia e o Milan parece em obras. O time fez várias mudanças em seu elenco, mesmo sendo uma janela de meio de temporada. Alguns jogadores que chegaram cercados de expectativas deixam o clube sem sequer uma despedida. Enquanto isso, chegou um jogador que brilhou anteriormente pelo clube e inevitavelmente chama a atenção: Zlatan Ibrahimovic. Aos 38 anos, ele voltou ao clube e ainda que não jogue sempre, seu impacto é sentido no clube. Inclusive para este mercado movimentado do clube.

[foo_related_posts]

O início de temporada do Milan foi de esperança. Contratou o técnico Marco Giampaolo, que vinha de uma boa campanha pela Sampdoria. Parecia um passo acertado do clube em direção a uma remontagem. A esperança durou pouco. Em outubro, o técnico foi demitido depois de um início muito ruim de Serie A, com três vitórias e quatro derrotas. Saiu Giampaolo, entrou Stefano Pioli. Um técnico veterano, de 54 anos.

Desde a estreia de Pioli, são 16 jogos, com oito vitórias, quatro empates e quatro derrotas. Curiosamente, desde a chegada de Ibrahimovic, o time não perdeu mais. O sueco estreou no empate por 0 a 0 com a Sampdoria, mas depois seguiram a vitória por 2 a 0 sobre o Cagliari, 3 a 0 sobre a Spal pela Copa da Itália, com o sueco no banco, 3 a 2 na Udinese, 1 a 0 no Brescia e, por fim, 4 a 2 sobre o Torino na Copa da Itália.

Ibrahimovic chegou na janela de janeiro, depois de ter a sua contratação confirmada em dezembro. Se Krzysztof Piatek estivesse muito bem, fazendo gols, tendo grandes atuações, Ibrahimovic talvez sequer fosse cogitado. O problema é que o polonês vinha muito mal. Nesta temporada, foram 23 jogos e cinco gols. Destes, três deles em pênaltis.

O problema é que o time tinha poucas opções para atuar ali. Ou, ao menos, parecia ter. Rafael Leão, contratado no começo de temporada, vinha tendo poucas chances. Ante Rebic não é exatamente um centroavante, é um jogador de lado. Foi assim que a ideia de Ibrahimovic ganhou força. E sua chegada tornou PIatek ainda mais apagado. Não por acaso, acabou vendido opara o Hertha Berlim por € 27 milhões. Aos 24 anos, tentará a sorte na Alemanha, depois de brilhar seis meses pelo Genoa e outros seis meses pelo Milan, antes de entrar no buraco pelos rossoneri.

Piatek, porém, é só um dos jogadores que deixou o Milan nesta janela. O lateral esquerdo Ricardo Rodriguez, que veio do Wolfsburg em 2017. Parecia um jogador com potencial para dar um passo adiante e subir o nível, mas nunca aconteceu. Vai emprestado para o PSV até o fim da temporada, com o Milan sonhando com uma valorização para que ele possa ser comprado.

Outro que deixou o clube foi o zagueiro Mattia Caldara, que chegou com uma grande expectativa na negociação que levou Leonardo Bonucci de volta à Juventus. O zagueiro, de 25 anos, sofria com lesões, mas parecia uma boa aposta. Mal jogou, depois de se recuperar de lesão, e foi cedido por empréstimo à Atalanta, que o projetou.

Fabio Borini, um atacante que atuava mais pelo lado que pelo centro, foi outro a deixar o clube rumo ao Verona, em definitivo e de graça, liberado pelo clube. Pepe Reina foi emprestado ao Aston Villa, onde tentará ser titular. Suso, que já foi o principal jogador do time, foi emprestado ao Sevilla. Sai depois de um período muito ruim pelo clube, desde a chegada de Gattuso, passando por Giampaolo e chegando a Pioli.

Das contratações, só mesmo Ibrahimovic merece destaque. Asmir Begovic foi trazido para ficar no banco. Simon Kjaer chegou em contrapeso vindo da Atalanta, onde estava emprestado e só foi repassado ao Milan.

Como não houve contratações – e é improvável que elas aconteçam no último dia da janela -, é bem possível que a única alteração relevante no elenco seja mesmo Ibrahimovic. Ele não terá reserva, como Piatek também não tinha. Na sua ausência, terá que jogar Rafael Leão e Rebic. Não é necessariamente um problema considerando o que o croata apresentou na partida contra o Torino.

Ainda não deu tempo para que Ibrahimovic tenha tamanha influência a ponto de mudar completamente o Milan. Seria um exagero dizer isso. O que dá para dizer é que o time vem mudando e que Ibrahimovic ajuda nisso. Nos jogos que entrou, faz diferença em relação ao que o time vinha fazendo.

Justiça seja feita, Rafael Leão vem também ganhando muito espaço, com justiça. O português é rápido, forte e tem mostrado capacidade para causar problemas às defesas adversárias. Junto com Ibrahimovic, vem mostrando boa capacidade técnica.

Pioli não é um treinador renomado, mas deu uma ajeitada no Milan e agora conta com um jogador técnico e inteligente no ataque, mesmo que aos 38 anos. Pode ser pouco para o Milan, mas o problema é que o time precisou voltar ao quadro negro em meio à temporada. Assim, a dificuldade será grande.

Atualmente o time é o oitavo colocado com 31 pontos, oito atrás da Roma, atual quarta colocada. Chegar à Champions League parece distante pelo rendimento e regularidade que o time não tem. Portanto, é mais factível lutar por uma das duas vagas à Liga Europa, que ficam para o quinto e sexto colocados. A Atalanta tem 38 pontos, em quinta, e o Cagliari, sexto, tem os mesmos 31 pontos de Parma, sétimo e do próprio Milan.

É difícil que a temporada do Milan não acaba com frustração. Se apoiar em Ibrahimovic é, a esta altura, sempre um risco, ainda mais sem outras opções de algum nível no elenco. Uma vaga na Liga Europa e, principalmente, e uma direção nas contratações para reformular o elenco são as prioridades para essa diretoria. Ou, ao menos, deveria ser.