O começo das oitavas de final entre Croácia e Dinamarca foi promissor. Dois gols em cinco minutos, um para cada lado. No entanto, o restante da partida foi tomado pelo marasmo, com os croatas incapazes de impor a sua superioridade técnica e os dinamarqueses esforçando-se e brigando com a bola ao mesmo tempo. O destino era, mais uma vez, como em Espanha x Rússia, inevitável: a disputa dos pênaltis. No entanto, Luka Modric teve a chance de decidir a parada, com um pênalti nos minutos finais da prorrogação. Schmeichel defendeu. E parou mais duas cobrança na disputa decisiva. Nela, porém, Danijel Subasic, pegou três. E a Croácia está nas quartas de final. 

Cinco minutos de caos

É difícil entender o que aconteceu nos primeiros cinco minutos de jogo, principalmente se você foi bravo o suficiente para assistir aos 115 seguintes. Logo no primeiro minuto, Knudsen cobrou lateral na área, e Jorgensen pegou a sobra para fazer 1 a 0 para a Dinamarca. Aos cinco, o mesmo Knudsen furou um corte, e Rebic dominou. Achou um bom passe para Vrsaljko, que chutou para dentro da área de qualquer jeito. Como em um bom jogo de pinball, a bola rebateu em dois marcadores dinamarqueses e sobrou para Mandzukic empatar. 

Mas depois disso….

O restante do primeiro tempo, em termos relativos, até que foi movimentado. A Croácia ficou mais com a bola, mas a Dinamarca conseguia ser perigosa. Braithwaite ficou cara a cara com Subasic, que saiu bem para abafar. No outro lado, Schmeichel fez duas defesas, de Modric de fora da área e de Strinic no cruzamento. Perisic mandou o rebote por cima do travessão. Lovren quase marcou de cabeça, em cobrança de falta. Aos 43 minutos, Rakitic pegou da entrada da área, e Schmeichel agarrou. 

Segundo tempo: pouco a relatar

Os segundos 45 minutos, porém, foram um grande marasmo. Os goleiros precisaram fazer apenas duas defesas. Schmeichel agarrou o chute de fora da área de Rebic. Subasic barrou Jorgensen, também sem problemas. Houve algum risco nas bolas paradas, mas este jogo estava mesmo destinado para a prorrogação. 

Para consagrar Schmeichel 

Schöne fez uma boa jogada na entrada da área, e bateu cruzado com perigo. Sisto entrou no começo do segundo tempo da prorrogação e tentou bater colocado, com perigo. Mas quem teve a melhor chance do tempo extra foi a Croácia. Aos oito minutos, Modric descolou lindo lançamento para Rebic, que driblou o goleiro e, na hora de chutar, foi derrubado por um carrinho de Jorgensen. O árbitro Nestor Pitana marcou pênalti. Modric tentou deslocar Schmeichel, mas não conseguiu. Bateu tão fraco no canto esquerdo que o goleiro dinamarquês encaixou. 

A noite dos goleiros

Eriksen abriu os trabalhos da disputa de pênaltis. Bateu cruzado no canto direito, e Subasic defendeu. Em seguida, Badelj tentou rasteiro, e Schmeichel parou com os pés. Kjaer, Kramaric, Krohn-Deli e Modric converteram suas cobranças. Mas os goleiros voltaram a brilhar. Subasic pulou de novo ao canto direito para barrar Schöne. Pivaric foi frustrado por Schmeichel. Nicolai Jorgensen telegrafou a sua cobrança, e Subasic defendeu com os pés. Rakitic teve a bola do jogo. Bateu no canto esquerdo e colocou a Croácia nas quartas de final. 

Ficha técnica

Croácia 1 (3) x (2) 1 Dinamarca

Local: Estádio Nizhny Novgorod, em Nizhny Novgorod
Árbitro: Nestor Pitana (Argentina)
Gols: Mathias Jorgensen (DIN); Mario Mandzukic (CRO)
Cartões amarelos: Mathias Jorgensen (DIN)

Croácia: Danijel Subasic; Sime Vrsaljko, Dejan Lovren, Domagoj Vida e Ivan Strinic (Josip Pivaric); Marcelo Brozovic (Mateo Kovacic), Ivan Rakitic e Luka Modric; Ante Rebic, Ivan Perisic (Andrej Kramaric) e Mario Mandzukic (Milan Badelj). Técnico: Zlatko Dalic

Dinamarca: Kasper Schmeichel; Henrik Dalsgaard, Simon Kjaer, Mathias Jorgensen e Jonas Knudsen; Thomas Delaney (Michael Krohn-Dehli), Andreas Christensen (Lasse Schöne) e Christian Eriksen; Yussuf Poulsen, Martin Braithwaite (Pione Sisto) e Andreas Cornelius (Nicolai Jorgensen). Técnico: Aage Hareide.