O Palmeiras está na semifinal da Copa do Brasil, depois de uma vitória por 1 a 0 sobre o Bahia no Pacaembu. Uma vitória que veio sofrida, como se esperava, mas com muitos elementos interessantes. O principal deles é que o Palmeiras ainda não tomou gol com o técnico Luiz Felipe Scolari no comando do time, em quatro jogos. Se somarmos os dois jogos antes de Felipão oficialmente assumir o time, contra Paraná com o interino Wesley Carvalho e com o assistente Paulo Turra contra o Bahia, o time emplaca seis jogos consecutivos sem gols sofridos.

LEIA TAMBÉM: A estrela de Fábio brilhou mais forte em uma noite na qual a sorte parecia do outro lado

O que dá para dizer dos jogos com Felipão no comando é que o time faz o que precisa ser feito. Não é exuberante, não é encantador, nem sempre controla muito o jogo com a bola. É um time que joga para fazer o que a competição exige. Assim foi contra o Cerro Porteño no jogo de ida das oitavas, ganhando por 2 a 0 e colocando um pé nas quartas. Assim foi contra o Bahia neste jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil. Vaga assegurada, desta vez na conta do chá – que, aliás, iria muito bem na noite paulistana.

A noite foi de teste para o torcedor. A começar pelo horário do jogo: 19h15. O Pacaembu é um estádio bem alimentado de transporte público, mas tentar chegar nesse horário para quem trabalha no famoso das 9h às 18h é um desafio hercúleo. Não bastasse isso, a noite fria, com temperatura ade 15 graus, tinha uma sensação de ainda menos com a garoa gelada.

O Palmeiras não precisava de muito. Bastava uma vitória simples depois do 0 a 0 em Salvador. Como não há gols fora de casa como critério de desempate, qualquer empate levaria a disputa para os pênaltis. Os alviverdes tinham a missão de vencer, portanto. Para isso, o técnico Luiz Felipe Scolari colocou em campo todos os titulares disponíveis.

Faltou pouco para o Bahia sair na frente no placar. Aos 13 minutos, Edigar Junio acertou a trave e, no rebote, Gilberto teve a chance, chutou e a bola bateu nas costas de Junio. Algo incrível. O Palmeiras contou om a sorte no lance. Só que quem ficou mais perto mesmo foi o Palmeiras, que desperdiçou duas chances incríveis. Com Moisés, na cara do gol, viu seu camisa 10 se enrolar para finalizar e perder. Teve também uma chance claríssima com Borja, depois de cobrança de falta de Diogo Barbosa na área que o centroavante do Palmeiras furou. Sem falar em finalização de Borja que desviou e pegou na trave.

Borja, aliás, teve outra grande chance no início do segundo tempo, ficando cara a cara com o goleiro, tocando por cima, mas sem conseguir acertar. A zaga se recuperou e tirou a bola. Quando o jogo começava a ficar um tanto perigoso demais, a torcida recebeu uma dose de alívio. O lateral Mayke tabelou com Moisés, cruzou para a área e Dudu, de peixinho, cabeceou para marcar 1 a 0 e colocar o time verde em vantagem no confronto. Um alívio depois de ver o time desperdiçar chances, mas também sofrer alguns ataques perigosos. O jogo parecia perigoso demais. Ao menos com o gol o Palmeiras ficou com a vantagem na mão para trabalhar com ela.

Pouco depois do primeiro gol, o Palmeiras quase emendou o segundo, novamente com Dudu. De fora da área, o camisa 7 arriscou depois de receber de Willian, no contra-ataque, e ver a bola passar bem perto. Parecia que vitória poderia vir com um pouco mais de calma, mas logo o quadro que se desenhou foi o de sufoco para o time da casa. O Bahia, mesmo sem criar nada muito consistente, tratou de se jogar ao ataque da forma como conseguia. Não criava chances, mas fazia a bola passear perto da área do Palmeiras, com cruzamentos que passavam de um lado a outro.

O saldo que fica do jogo é negativo para Borja, que se enrolou em alguns momentos. Apesar disso, ele conseguiu fazer o seu papel em campo. O baixo rendimento pode acabar abrindo espaço para Deyverson. No mais, o time teve mais uma vez Moisés bem no jogo, participativo, e Dudu tendo participação importante, além do gol. O Palmeiras ainda está longe de jogar o que pode, mas já melhorou em relação a jogos anteriores.

No fim, vitória por 1 a 0, o suficiente para avançar. O Palmeiras será semifinalista e terá como adversário o Cruzeiro, do técnico Mano Menezes, que superou o Santos. No outro lado da chave, Flamengo e Corinthians se enfrentam.