Por toda a expectativa que gerou e pelo pouco tempo que durou, a aventura de Maurizio Sarri no Chelsea foi uma grande decepção. A desobediência dentro de campo do goleiro Kepa durante a final da Copa da Liga Inglesa em 2019, contra o Manchester City, com o espanhol se recusando a deixar o campo, não deixou dúvidas de que o relacionamento do técnico com os jogadores não era dos melhores, e o próprio Sarri admitiu isso em entrevista ao canal de YouTube da Juventus, seu atual clube, nesta sexta-feira (17).

Durante transmissão ao vivo no canal, o técnico afirmou que teve uma “relação conflituosa com o vestiário do Chelsea”. Porém, acrescentou que, ao anunciar que estava de saída, “muitos jogadores choraram”.

Reconhecendo a importância dos relacionamentos pessoais, o treinador disse que, “quanto mais alto é o degrau que você sobe, mais difícil é construir” essa relação com os atletas. “Seu entorno muda muito, e leva mais tempo para construir esses relacionamentos.”

Em um momento de autocrítica, Sarri admitiu que não é uma pessoa “de dar tapinha nas costas dos outros” e que expressa mais críticas quando algo está errado do que elogios quando seus comandados acertam: “Acho que isso tem um grande impacto. Porém, eles aprendem a te apreciar por quem você é.”

Apesar disso tudo, Sarri diz ter ótima relação com vários de seus ex-jogadores, a quem se torna muitas vezes uma espécie de conselheiro profissional e até pessoal.

“Aqueles que estão pensando em se aposentar do futebol às vezes me pedem dicas sobre como ser treinador. Alguns me perguntam se podem se juntar à minha comissão técnica por um ano. Outros vêm até mim por razões pessoais, porque tiveram algum problema com a mulher e os filhos. Uma vez que uma relação se inicia, você pode falar de tudo.”

Embora tenha dito não entender os italianos que escolhem viver na Inglaterra, acrescentando que “nunca viveria lá” por opção pessoal, Sarri admitiu sentir falta da Premier League, elencando os fatores que o fizeram se apaixonar pela competição.

“Quanto ao futebol, aí é outra história. Sinto falta da Premier League. Ela tem um nível técnico extraordinário e uma atmosfera incrível. Nunca ouvi um canto contra alguém dentro de um estádio, e os torcedores todos se unem do lado de fora. Os torcedores visitantes pedem para tirar uma foto com você, e os estádios estão sempre cheios, independentemente da competição. É fantástico.”

Os comentários de Sarri sobre seu período no Chelsea corroboram dois outros relatos de jogadores que trabalharam com o treinador nos Blues. Sob uma ótica mais de trabalho do que de relação, o goleiro Robert Green, reserva dos Blues, revelou ao site The Athletic que chegou a confrontar Sarri por sua falta de um plano B, representando o que muitos no elenco pensavam. Fàbregas, em janeiro, escreveu no Twitter que o técnico “tem suas táticas e morre com elas. Não é muito flexível, digamos, mas é um bom homem, com um bom coração”.

Sem ter conquistado o grupo e sem ambiente para continuar, Sarri durou apenas uma temporada no time de Londres, mesmo tendo classificado a equipe para a Champions League e tendo vencido o Arsenal na final da última Liga Europa.