Depois da vitória apertada contra o Palestino na estreia da Libertadores, o Internacional venceu o Alianza Lima por 2 a 0 com tranquilidade, apresentando um futebol melhor e contando com o brilho de Nico López, que apesar dos altos e baixos desde sua chegada no Beira-Rio, já foi artilheiro da equipe nas últimas duas temporadas e deixa claro que em 2019 é essencial para os objetivos colorados.

Para a estreia em casa, Odair Hellmann realizou apenas uma mudança no time titular: Rafael Sóbis entrou no lugar de Pedro Lucas, no comando do ataque. A entrada do ídolo colorado manteve a formatação tática, mas aumentaria a movimentação do ataque e diminuiria a presença de área, forçando a mudar uma realidade: o Inter levanta bolas demais na área.

E logo nos primeiros minutos, a postura se mostrou completamente diferente da apresentada no Chile. Sem ficar esperando para dar contragolpes, o Internacional foi logo para cima, construindo jogadas, mostrando algo que já se sabia. O Inter pode jogar melhor do que vem jogando. Com apenas dois minutos quase abriu o placar, quando Sóbis deixou Iago em ótimas condições. O lateral-esquerdo finalizou cruzado e Gallese espalmou para escanteio. O goleiro peruano, porém, não teve a mesma agilidade para pegar o chutaço de Nico López de fora da área, aos 8 minutos. O uruguaio se deslocou da ponta para o meio, recebeu um passe de Pottker e acertou um chute de rara felicidade.

O Alianza Lima, comandado pelo campeão da Libertadores 2007, Miguel Ángel Russo, não conseguiu reagir, mas por pouco não conquistou o empate em uma jogada de bola parada. Após a cobrança de falta, a bola pipocou pela área e Marcelo Lomba fez uma defesa importantíssima em chute Ugarriza. A sorte colorada é que Nico López estava em um dia de pura confiança. Apenas dez minutos depois de marcar o primeiro, Nico novamente apareceu na intermediária. Rafael Sóbis lançou para o camisa 7 que dominou, se desvencilhou da marcação e arriscou o chute. A bola desviou no marcador e enganou Gallese. Após os dois gols, o Internacional controlou totalmente o ritmo da partida, mesmo tendo menos posse de bola e fazendo um jogo completamente vertical, de poucos passes.

Na volta do intervalo, o Inter manteve exatamente a mesma forma de jogo do final da primeira etapa, dando a bola para o time peruano, que, espelhando o desenho tático colorado, no 4-3-3, perdia o meio de campo. Aos 20 minutos, com a entrada de D’Alessandro no lugar de Pottker, e com Nonato, que já havia substituído Patrick, lesionado no primeiro tempo, a equipe gaúcha ficou com características menos combativas, mas com mais qualidade no trato com a bola. Naturalmente, isso refletiu no que se via, com o Inter voltando a empurrar o Alianza. Entretanto, não houve mais mudanças no placar.

O jogo realçou o que vem dando certo. Nico López já tem 36 gols com a camisa do Inter, e Edenílson comandou o meio de campo, com 90% de aproveitamento dos passes e sendo o responsável por 15% de todos os passes dados pela equipe. A vitória poderia ter sido mais elástica, mas foi tranquila, maiúscula, e coloca o Internacional em condição espetacular, com seis pontos em dois jogos e quatro pontos à frente do segundo colocado, o River Plate, que não saiu do zero diante do Palestino no Monumental de Nuñez. O time de Odair Hellmann vai crescendo na temporada e já tem um novo desafio no fim de semana: o primeiro Gre-Nal do ano.