O técnico do Arsenal, Arsène Wenger, jogou a toalha sobre o caso Alexis Sánchez. O atacante chileno foi deixado fora dos relacionados para o jogo contra o Bournemouth, em uma partida que o time perdeu de virada por 2 a 1. Depois do jogo, Wenger disse que a situação de Sánchez será resolvida em até 48 horas. A saída do jogador, que só tem contrato até junho, é iminente.

LEIA TAMBÉM: Bournemouth contou com lances decisivos de Wilson para virar o jogo para contra o Arsenal

Segundo Wenger, Sánchez está em espera pela transferência. Özil não foi relacionado para o jogo com o Bournemouth por lesão. O treinador francês explicou que a saída de Sánchez é iminente. “Pode acontecer hoje, amanhã ou não acontecer”, disse Wenger. “É por isso que eu não queria que ele viajasse para ele ir para outro lugar”, explicou ainda o técnico.

“Alexis poderia ter jogado, mas essa é um período difícil para ele. Ele sempre esteve comprometido, até agora”, contou o treinador. “Ele poderia ter se transferido hoje, ou ontem, ou não, mas será decidido nas próximas 48 horas. Ele está em espera, então eu decidi não trazê-lo hoje. Não foi que ele não quis jogar”, explicou ainda Wenger.

Na janela de transferências de julho e agosto, no verão europeu, Wenger não quis abrir mão nem de Alexis Sánchez nem de Mesut Özil, ambos com contrato até junho de 2018, mesmo correndo o risco de perder ambos de graça. Ele ainda mantém esperança de conseguir renovar o contrato de Özil, mas jogou a toalha no caso de Sánchez. Ao abrir a janela de transferências de janeiro, a novela sobre a sua saída voltou. E ganhou contornos mais dramáticos nesta semana.

O Manchester City já tinha feito proposta por Sánchez em agosto, mas com a negativa do Arsenal, a expectativa era contar com o chileno em janeiro ou, no máximo, ao final da temporada, em julho. Só que as coisas mudaram quando o Manchester United entrou no negócio, oferecendo mais dinheiro para ele e para o Arsenal, segundo relatos de veículos ingleses.

Se cogita inclusive uma troca de Alexis Sánchez por Henrikh Mkhitaryan, além de uma boa quantia em dinheiro. A especulação é que o Arsenal pede 35 milhões de libras. O City oferece 25 milhões. Os relatos neste domingo são que o Manchester United chegou a um acordo com o jogador por contrato de quatro anos, pagando mesmo os 35 milhões de libras pedidos pelo clube londrino. E, segundo a Sky Sports, o meia armênio entraria no negócio.

Reposição imediata

Com a saída de Sánchez parecendo apenas uma questão de horas, Wenger admitiu que será necessário contratar algum jogador para o seu lugar. “Se Sánchez sair, nós precisamos substituí-lo”, afirmou o técnico. “Hoje sentimos falta de muitos jogadores do nosso elenco. Você vê que eles têm um peso no nosso time”.

“Se jogadores como Sánchez saíram, é claro que temos que responder a isso. Ele vai sair ou não? Eu não sei, mas no momento é período de transferências. Nesse período, você usa os jogadores que estão completamente focados em estar no clube”, disse Wenger. “Me garantiram que ele será substituído nesta janela. Não há nada concreto em relação a Malcom ainda”.

Contratado em 2014, Alexis Sánchez se tornou uma das principais figuras da Premier League. Teve uma temporada 2016/17 que foi espetacular, com 30 gols em 51 jogos. O desempenho talvez tenha seduzido Wenger a manter o chileno na sua última temporada de contrato e convencê-lo a renovar. O problema é que não só ele não conseguiu, como Sánchez caiu muito de rendimento. A decisão de liberá-lo a seis meses do fim do contrato mostra que o técnico desistiu. E sabe que uma reposição, motivada, pode ser mais importante que Sánchez neste momento.