Antonio Conte teve três anos de sucesso na Juventus. Entre 2011 e 2014, no comando dos bianconeri, levou o tricampeonato da Serie A e colocou o clube em um patamar muito acima do restante dos clubes do país. Só deixou o comando da equipe pois recebeu o chamado da seleção italiana e partiu para o novo trabalho deixando entre os torcedores da Juve um sentimento de gratidão. Mas bastou Claudio Marchisio se lesionar, nesta sexta-feira, para tudo isso desmoronar. Bom, pelo menos para uma minoria da torcida, que enviou ameaças de morte ao treinador só por causa da contusão do atleta.

VEJA TAMBÉM: Harvard agora oferece disciplina sobre futebol, e a classe já está lotada, é claro

Os torcedores culpam Conte pela lesão sofrida por Marchisio durante treino de preparação para o duelo da Itália com a Bulgária, neste sábado, pelas Eliminatórias da Euro. Inicialmente, pensou-se que a contusão tiraria o meio-campista do restante da temporada da Juventus, mas um exame realizado dentro do próprio clube, após o atleta deixar a delegação italiana e retornar a Turim, já descartou a possibilidade de algo mais grave. Ainda assim, o curto intervalo de tempo em que se acreditou que Marchisio não voltaria a jogar neste resto de campanha de 2014/15 foi suficiente para que chegassem as ameaças a Conte.

“Eu o vi abalado nesta manhã. Depois da controvérsia de ontem (sexta), ele recebeu ameaças de morte pela internet. Encontrei-me com ele, passamos um bom tempo juntos, e ele não está calmo. Todas essas coisas foram ditas nas redes sociais, e ele se sente vilanizado por algo que não é sua culpa. A Federação Italiana está a seu lado”, comentou, em entrevista à Radio Rai, Carlo Tavecchio, presidente da entidade.

A situação foi desencadeada principalmente após John Elkann, presidente do Grupo Fiat, que controla também a Juventus, ter criticado os métodos de treinamento do técnico. “Talvez ele queira ser lembrado como o selecionador com o maior número de jogadores lesionados”, afirmou o mandatário à Gazzetta dello Sport. Conte rebateu seu antigo empregador. “Imagino por que o Elkann não me disse isso quando eu estava na Juventus. Nós não trabalhamos duro, trabalhamos bem. A lesão do Marchisio foi absurda e inexplicável. Ele machucou-se sozinho enquanto se aquecia, correndo sem a bola”, explicou o treinador.

É incrível como às vezes é preciso tão pouco para que os torcedores esqueçam a contribuição enorme que um antigo membro do time deu com seu trabalho. Tão pouco para que saiam de si e tomem atitudes abomináveis como a de ameaçá-lo de morte. Mas essa é uma reação um tanto quanto previsível. Talvez o mais condenável de toda a história tenha sido o fato de uma figura pública como Elkann soltar uma besteira dessas, que no máximo faria exatamente o que fez: insuflar a torcida. Para o bem de todos, não deverá levar muito tempo para que Marchisio esteja de volta ao consolidado meio de campo da Juve, que segue viva na briga pela Champions.