O caso Ronaldinho Gaúcho parece longe de uma resolução além do já apurado e já revelado. O uso de passaportes paraguaios adulterados por ele e por seu irmão, Roberto de Assis, e uma ligação com Dalia López, dona da fundação que levou o ex-jogador ao Paraguai. Nesta semana, o jogador recebeu uma visita ilustre, que depois contou, em entrevista, como está o craque brasileiro no cárcere.

Na prisão, Ronaldinho fez aniversário dos seus 40 anos no dia 21 de março. O ex-craque participou de uma pelada e esboçou alguma felicidade ao fazer aquilo que melhor fez na vida. Pouco se atualizou do seu caso desde então. Na sexta-feira (28/03), o ex-jogador do River Plate, Nelson “Pipino” Cuevas, deu uma entrevista à rádio CNN da Argentina e falou com Hernán Castillo sobre uma visita que fez ao ex-jogador brasileiro.

“Estive conversando com Ronaldinho por umas cinco ou seis horas. É uma situação muito complicada. Realmente muito difícil. Ele é uma vítima de tudo isso mas ao mesmo tempo cometeu o delito”, disse Pipino Cuevas logo no início de sua conversa.

Cuevas falou de uma imagem que os países vizinhos têm do Paraguai: “Quando joguei no Brasil e também na Argentina, onde joguei por muitos anos, sempre ouvi ‘Você vai pro Paraguai? Vai cruzar a fronteira? Se consegue de tudo lá, você dá dinheiro pra polícia e deixam você comprar tudo do melhor’, era o conceito que se tinha do Paraguai”. Cuevas jogou no Santos em 2008, depois de se destacar pelo Libertad.

Partindo dessa lógica, Cuevas tece sua teoria sobre o caso: “Seu sorriso se apagou”, afirmou o ex-jogador. “Seu irmão, ou não sei quem, conheceu a essas pessoas, apesar de Ronaldinho não precisar desse tipo de coisa, o colocou nessa jogada e ele caiu. Ele pecou de inocente”.

“Ronaldinho cometeu o delito ao usar um documento adulterado. As coisas se complicaram muito pra ele. Eu ofereci toda a minha infraestrutura, tudo que estivesse ao meu alcance, mas os advogados que decidem”, acrescentou Cuevas que se mostrou preocupado com o estado de ânimo de Ronaldinho.

“Ele está muito triste, não está nada feliz. Seu sorriso está bem apagado pelo fato de estar numa prisão. E não é nada luxuosa. Eu o visitei, estive com ele lá, ele é um cara formidável”, agregou Pipino Cuevas.

Hernán Castillo indagou sobre uma possível cilada: “Deram um golpe nele?”. “Do que eu pude perceber, ele não sabe nem onde está. Ele não tem ideia das coisas. Ele tem os seus assessores que lidam com tudo. Falam pra ele se levantar, ele se levanta, pra ir pra um lugar ou pra outro e ele vai. Por isso digo que ele é totalmente inocente. Por isso é uma situação tão complexa. Há muita gente por trás de tudo isso, e exatamente por isso eles o mantêm detidos”, finalizou.

A empresária Dalia López é suspeita de lavagem de dinheiro e está foragida da justiça desde que estalou o caso.