Que tal reunir pessoas que gostam de futebol em um país onde o esporte não é exatamente o mais popular nas ruas? Parece uma boa ideia da NBC, uma das maiores redes de televisão americanas. O braço esportivo do canal, o NBC Sports, lançou um aplicativo chamado MatchMaker (esse nome não lembra outra coisa? Falaremos disso) para reunir os fãs do futebol, especificamente da Premier League britânica, lá nos Estados Unidos. Sim, a ideia é reunir os admiradores da liga inglesa nos Estados Unidos. Eis o primeiro erro.

LEIA TAMBÉM: Há 26 anos, acontecia a tragédia de Hillsborough: por que aconteceu, e o que mudou depois dela

O aplicativo permite que você ligue seu perfil do Facebook para criar uma conta. Você ainda escolhe o seu time preferido (aliás, é possível escolher até dois times) e o aplicativo irá mostrar os próximos jogos, local e horário. Ah, claro, e quais serão transmitidos pela NBC, porque, afinal, esse é o objetivo: a Premier League é exclusiva da emissora nos Estados Unidos e por isso criaram até um aplicativo para incentivar as pessoas a verem. Até aqui, nada muito diferente do que se vê em aplicativos de futebol. Só que é a partir daí que a coisa começa a ficar estranha.

Há um mapa no aplicativo para você localizar os torcedores do mesmo time que você, ou de outros times da Premier League e, claro, que usam o aplicativo quando faltam três horas para o jogo. A ideia é mostrar quem está próximo para, quem sabe, tomarem uma cerveja juntos assistindo o jogo. Dias antes dos jogos é possível usar um sistema de mensagens para trocar informações, conversar ou mesmo marcar reuniões de torcedores para ver os jogos. Você pode montar um evento para chamar pessoas para ver o jogo com você e receber convites para outros eventos. Legal, né? É, só que isso as redes sociais já fazem. E sem mostrar a sua localização para estranhos.

Os usuários, é claro, não perdoaram. O aplicativo não passou de três de cinco estrelas na App Store da Apple e na Google Play. As avaliações mostram que as pessoas não estão contentes com o aplicativo. “Ideia inteliegente, mas basicamente inútil”, dizia uma das avaliações. “Muitos erros”, “Muitos problemas” e outras coisas assim também estão escritas por lá.

Como uma ideia boa virou um fracasso? Bom, vamos começar pelo básico: o nome. Matchmaker lembra muito mais um aplicativo de encontros do que algo relacionado com futebol. Se as pessoas (ainda) tem vergonha de dizer que o casal se formou por causa de um aplicativo ou site de encontros (embora digam que o Tinder está mudando isso), imagine só dizer que você conheceu um “parça” que curte futebol por um aplicativo que chama Matchmaker? Eu sei, eu sei: isso não deveria importar, mas, cá entre nós, é estranho.

Só que antes mesmo de pensar nisso, vamos avaliar: você gostaria de ver a sua localização revelada três horas antes dos jogos para ser localizado por desconhecidos? Me parece uma ideia um pouco estranha. Se a ideia é juntar amigos, ou mesmo conhecidos, bom, as redes sociais já fazem isso muito melhor. Trocar mensagens pelo aplicativo? Whatsapp, Telegram ou mesmo o Messenger do Facebook podem fazer exatamente isso com pessoas que você conhece. Então, de fato, parece que o aplicativo vem para atender algo que já é bem atendido por outros serviços. E aí se torna só inútil mesmo.