Ninguém venceu nos dois encontros entre Paris Saint-Germain e Napoli no Grupo C da Champions League. Após o empate por 2 a 2, no Parque dos Príncipes, cortesia de um golaço de Angel Di María, as duas equipes voltaram a igualar suas forças, nesta terça-feira, no San Paolo, embolando ainda mais uma chave muito equilibrada.

A situação é a seguinte: considerando a lógica, o Napoli derrotaria o Estrela Vermelha, em casa, na próxima rodada, e chegaria a nove pontos.  A partida entre PSG e Liverpool, em Paris, seria crucial. Caso os franceses vencessem, iriam a oito pontos, com os sérvios como adversários na última rodada. O Liverpool ficaria com seis pontos e precisaria ganhar do Napoli, em Anfield, por pelo menos dois gols de diferença para superar a equipe italiana no confronto direto – a ida, no San Paolo, foi 1 a 0 para os donos da casa – ou torcendo para o Estrela Vermelha ganhar do Paris Saint-Germain.

Em caso de empate entre Estrela Vermelha e Paris Saint-Germain e vitória do Liverpool contra o Napoli, ficaria tudo empatado em nove pontos, e a passagem dependeria do placar no Parque dos Príncipes. Em Anfield, o Liverpool venceu por 3 a 2.

Caso haja um empate no Parque dos Príncipes, o Napoli classifica-se automaticamente porque, no confronto direto com o PSG, leva vantagem nos gols marcados fora de casa. O Liverpool teria sete pontos, contra seis dos franceses e decidiria sua passagem à próxima fase, em casa, contra os italianos, que já estariam com a vaga garantida. O PSG teria que ganhar do Estrela Vermelha e e torcer por um tropeço vermelho.

E, em caso de vitória do Liverpool no Parque dos Príncipes, os ingleses chegariam a nove pontos, assim como o Napoli, se realmente vencer o Estrela Vermelha, e o Paris Saint-Germain, com cinco, estaria eliminado da Champions League, brigando com o sérvios na última rodada por uma vaga na Liga Europa.

A partida teve dois tempos distintos no San Paolo. O primeiro foi mais travado e morno do que se esperaria de ataques tão talentosos. Neymar parecia em um dia inspirado, liderando as ações ofensivas do seu time, como sempre. Descolou um lindo lançamento para Mbappé bater cruzado, com perigo. Pouco antes do intervalo, em novo passe do brasileiro para o francês, o cruzamento encontrou Bernat, pelo meio: 1 a 0.

O Napoli voltou com tudo dos vestiários. Exerceu uma pressão incessante até conseguir o gol de empate. Simplesmente não permitiu que o PSG jogasse, exigiu duas defesas de Buffon em tentativas de Mertens, e cavou escanteio atrás de escanteio. Thiago Silva, primeiro, foi herói, ao cortar um chute de Callejón que tinha endereço certo. Depois, foi vilão. Errou o domínio na entrada da área e permitiu que Callejón disputasse a bola com Buffon. Tentou se recuperar e prensou o meia espanhol junto ao goleiro italiano. Pênalti. Insigne cobrou e igualou o marcador.

A meia hora final teve domínio do Paris Saint-Germain. No entanto, mais uma vez, o time francês mostrou-se desorganizado na hora de atacar. Era praticamente bola para Neymar, que entrou em um modo fominha irritante e cavou mais faltas do que criou oportunidades para os companheiros. A entrada de Cavani no lugar de Di María, restaurando o famoso trio de ataque, não surtiu efeitos.

O grupo que se mostrava muito equilibrado nas prévias confirmou-se como um dos mais embolados da Champions League. A duas rodadas do fim, ainda é muito difícil imaginar quem pode se classificar, embora o Napoli, com um duelo teoricamente mais fácil na próxima partida, esteja na dianteira.