Fábio sustenta a sua idolatria no Cruzeiro não apenas pelo passado. Independentemente da grandiosa história que já construiu na Toca da Raposa, o goleiro continua em grande forma. A conquista da Copa do Brasil em 2018 aumentou a gratidão ao veterano, mas a verdade é que ele segue pegando muito neste início de temporada. Pela Libertadores, teve duas atuações excelentes contra o Huracán e mantém sua meta zerada após cinco rodadas. Também fez defesas importantes na final do Campeonato Mineiro, possibilitando o título. E que tenha errado na estreia do Brasileirão, o camisa 1 não perdeu tempo para se redimir. A vitória por 1 a 0 sobre o Ceará nesta quarta tem totais méritos de Fábio. Não seria exagero colocá-la entre suas melhores exibições com o clube celeste.

O pênalti que pegou durante o primeiro tempo, quando o placar ainda estava zerado, já era suficiente para alçar Fábio como personagem no Mineirão. A cobrança de Ricardo Bueno foi a 26ª defendida pelo goleiro desde que chegou ao Cruzeiro. Porém, esta nem seria a sua intervenção mais difícil na noite. O veterano colecionou verdadeiros milagres. Pouco antes do intervalo, o chute de Leandro Carvalho desviou no meio do caminho e seguia ao canto direito do arqueiro. Pois ele conseguiu reagir a tempo, espalmando com uma só mão. Já no segundo tempo, depois que Thiago Neves abriu o placar aos mineiros, aconteceram outros dois lances inacreditáveis do camisa 1.

Parecia um gol certo quando Ricardo Bueno avançou com liberdade dentro da área para cabecear. O centroavante fez o movimento de manual, para o chão, em arremate cruzado. Fábio, sabe-se lá como, conseguiu aparecer no momento exato para salvar. Esticou-se todo e realizou o desvio com a ponta dos dedos. E haveria tempo para mais. Já aos 43 minutos, Roger carimbou a trave após uma cobrança de escanteio, mas o rebote sobrou limpo a Bergson no meio da pequena área. O alvinegro bateu no susto, sem tanta força ou direção. Ainda assim, era uma bola à queima-roupa. Quase em cima da linha, o veterano negou o tento e sequer deu rebote. O lance que coroou a noite impossível ao paredão.

Até pelas expectativas criadas nestes primeiros meses do ano, o Cruzeiro não corresponde completamente no Brasileirão. Ainda assim, conquista os seus primeiros três pontos e tenta pegar o embalo para brigar no topo da tabela. Além do forte elenco, uma certeza à Raposa é o trabalho de Fábio. Os 38 anos não representam qualquer peso ao ídolo. Pelo contrário, ele parece pronto a ampliar seus capítulos memoráveis no Mineirão.