Naldo chegou ao Monaco no meio da temporada passada, como um reforço à equipe com sérios riscos de rebaixamento. Os alvirrubros cumpriram sua missão de se safar, apesar dos percalços no segundo turno da Ligue 1. O brasileiro, em compensação, nunca emplacou no principado. Disputou apenas nove partidas, sete delas pela liga nacional. Nesta temporada, o veterano sequer entrou em campo. Seis meses antes do término de seu contrato, encerra o vínculo com os monegascos no que, aparentemente, é o ponto final de uma carreira marcante nos grandes centros da Europa.

As duas últimas temporadas foram claudicantes para Naldo. O zagueiro vinha com moral em 2017/18, quando apresentou um nível espetacular pelo Schalke 04 e foi protagonista no vice-campeonato alemão. Seria especialmente exaltado pelos clássicos contra o Borussia Dortmund, definindo o inimaginável empate por 4 a 4 no Signal Iduna Park (quando os Azuis Reais reagiram a um placar de 4 a 0) e também pelo gol nos 2 a 0 do returno. Na época, até foi mencionado por Tite e voltou a ser cogitado à Seleção. Todavia, o início da temporada seguinte não foi bom. Sofrendo com a falta de velocidade, Naldo despencou com o time em 2018/19. Enquanto o Schalke brigava contra o descenso, o veterano foi para o banco.

O Monaco surgia como um recomeço para Naldo. O clube se reforçava com medalhões e apresentava perspectivas de melhora, sob as ordens de Thierry Henry. Todavia, poucos jogos bastaram para que o brasileiro se queimasse no principado. Após estrear num empate contra o Olympique de Marseille, foi expulso (discutivelmente) logo aos sete minutos de sua segunda partida, que terminou com goleada por 5 a 1 para o Strasbourg. Henry perdeu o emprego e, quando o zagueiro voltou, novamente foi expulso na derrota por 2 a 0 para o Dijon. Foi o suficiente para cair em descrédito. Ainda voltou para algumas partidas no final da campanha, em nova sequência ruim, e deixaria os planos de Leonardo Jardim na atual temporada.

Robert Moreno chegou ao Monaco e nem isso melhorou o cenário para Naldo. Ele só foi relacionado duas vezes na atual edição da Ligue 1 e ficava claro que o melhor caminho seria procurar um novo destino. Nesta sexta, o clube anunciou a rescisão amigável do contrato. Se algum clube brasileiro desejasse buscá-lo, porém, deveria ter sido mais rápido. Segundo o repórter Leonardo Hartung, o veterano treina com o Qingdao Hunghai, que conquistou recentemente o acesso à primeira divisão chinesa. Pode ser um reforço ao time que já conta com o atacante Cléo, além de Yaya Touré.

Caso o negócio realmente se concretize, Naldo encerrará uma passagem de 15 anos pelo futebol europeu. O Monaco se tornou apenas um apêndice da grande história que o zagueiro construiu na Bundesliga. Foi ídolo em Werder Bremen, Wolfsburg e Schalke 04, participando de equipes relevantes de todas as três agremiações. Seu melhor período aconteceu no Bremen, onde bateu na trave em busca da Bundesliga e da Copa da Uefa, mas conquistou três copas. Também levou a Copa da Alemanha e a Supercopa pelo Wolfsburg, com o qual seria vice-campeão uma vez. Já no Schalke, mais um vice em 2018. Individualmente, por cinco vezes acabaria eleito para a seleção do campeonato, feito registrado em suas três equipes.

Naldo é o brasileiro com mais partidas na história da Bundesliga. São 358 aparições, que o permitiram superar Zé Roberto. Além disso, também é o segundo estrangeiro que mais atuou pelo Campeonato Alemão, atrás apenas de Claudio Pizarro. Acima dos números está a importância que teve e a maneira como se manteve quase sempre em alto nível. Para sua infelicidade, o final desta passagem pela Europa não aconteceu da melhor forma, com duas despedidas em baixa. De qualquer maneira, não são esses últimos meses que estragam a reputação que construiu. Poucos defensores brasileiros tiveram tamanho moral nas grandes ligas europeias quanto o londrinense. Aos 37 anos, a reverência ao passado fica.