Nem todo mundo apostava que isso aconteceria, mas Rogério Ceni completa 42 anos ainda na ativa. O goleiro chega a 23 anos de serviços prestados ao São Paulo em 2015, buscando encerrar a carreira com mais uma boa campanha na Libertadores. E o camisa 1, vaidoso como é, dificilmente continuaria se não tivesse feito boas partidas no último ano. Atuações importantes para o vice-campeonato tricolor no Brasileirão.

Tanto quanto pelas defesas, os gols de falta e de pênalti fizeram a fama de Rogério ao longo das duas últimas décadas. No entanto, o goleiro vai muito além, pela forma como ajudou a evoluir a posição. Neuer pode ser o maior expoente da atualidade, assim como Higuita já se aventurava nos seus tempos. De qualquer forma, o são-paulino tem seus méritos pela forma como contribuiu para a transformação do ofício do camisa 1, indo além da área. Ceni não é tão maluco quanto o colombiano e nem mata tantos contra-ataques quanto o alemão, mas tomou o hábito de sair da área para organizar a defesa e iniciar a construção de jogo do tricolor.

Para quem vê o jogo do estádio, muitas vezes as saídas de Rogério causam receio. Mas a confiança dos são-paulinos no veterano acaba superando isso. E, ao longo dos anos, muitos foram os dribles do goleiro nos atacantes que vinham abafar a saída de jogo – por mais que, na última delas, contra o Figueirense, o tricolor tenha se dado mal. Abaixo, uma compilação de lances de habilidade do camisa 1 nesses fora da área: