Aos 28 anos, Jordan Henderson passa pela melhor fase da carreira. Ele mesmo admite que a condição física está melhor do que nunca e a questão técnica vem acompanhando. Teve grandes atuações na campanha da última Champions League, que terminou com o vice-campeonato do Liverpool, e foi um dos destaques da Inglaterra na Copa do Mundo. Para simbolizar o momento, o capitão dos Reds decidiu renovar o seu contrato por mais cinco anos. Caso o cumpra até o fim, ficará pelo menos 12 anos vestindo o vermelho.

Henderson chegou em 2011 como uma das contratações contestadas de Kenny Dalglish. Ouviu de Alex Ferguson, treinador do rival Manchester United, críticas sobre a sua maneira de correr e quase foi envolvido por Brendan Rodgers em uma troca com o Fulham por Clint Dempsey. Mas ficou para conquistar seu espaço, pouco a pouco. Em 2015, com a saída de Steven Gerrard, virou capitão da equipe.

Também sofreu lesões que o fizeram perder grandes partes das temporadas 2015/16 e 2016/17, as primeiras de Jürgen Klopp em Anfield. Mas retornou e virou peça importante como o volante do Liverpool e da seleção inglesa, um pilar do meio-campo na recuperação da bola e do começo dos trabalhos ofensivos.

“Eu demorei um pouco para me adaptar e talvez minha confiança tenha caído de vez em quando. Mas ter passado pelo que eu passei e sair por cima me tornou mais forte, o que obviamente passa confiança. E nos últimos anos, eu ganhei mais e mais confiança”, afirmou. “Eu acredito que minha jornada tem sido progressiva. Não há outro lugar no mundo que eu queira jogar futebol. Eu simplesmente quero ficar aqui o máximo que eu puder e espero que seja além do meu contrato”.

Klopp, que já comemorou outros jogadores importantes do elenco como Roberto Firmino e Mohamed Salah renovando seus compromissos com o Liverpool, também festejou a permanência do seu capitão. “Ele é perfeito para nós e nós para ele”, afirmou. “Jordan personifica o que significa ser um jogador do Liverpool na era moderna do futebol. Você consegue notar pelas suas ações, dentro e fora de campo, que ele trata representar nosso escudo e nossa camisa como um privilégio”, disse.

“Ele carrega muita coisa nos ombros que pessoas de fora não conseguem ver, mas ele abraça essa responsabilidade e essa liderança. Ele é nosso geral e eu confio nele completamente. Mas o melhor, eu acho, na verdade, eu sei, é que ele ainda vai melhorar muito nos próximos anos. E esta melhora virá em cima de uma base já muito alta. Jordan é muito importante para nós e temos sorte, como clube, de uma pessoa como essa se comprometer a ficar conosco como ele fez”, completou.

Integrante da última barca de jogadores que voltaram da Copa do Mundo, Henderson fez sua primeira partida como titular na temporada, no último sábado, contra o Leicester. Jogou 71 minutos antes de ser substituído por Naby Keita.