Em uma época que Cruzeiro e Internacional estavam entre os melhores times do mundo, os duelos ultrapassaram as barreiras dos torneios nacionais. Na década de 1970, os dois times tinham esquadrões de craques. Jairzinho, Nelinho e Palhinha eram alguns dos craques do time azul de Minas, enquanto Valdomiro, Escurinho e Falcão. Com times tão fortes, era inevitável que se encontrassem. Em 2014, Cruzeiro e Inter são líder e vice-líder do Brasileirão e se enfrentam nesta tarde. Resolvemos lembrar dois duelos inesquecíveis desses anos que marcaram tanto a história dos dois clubes.

ESPECIAL ARBITRAGEM: 5 perguntas sobre arbitragem que passaram pela sua cabeça

O Brasileirão de 1975 teve os dois times como finalistas. O caminho de ambos foi complicado. Depois de vencerem seus grupos na primeira fase, ambos passaram também pela segunda fase, uma nova fase de grupos. O Cruzeiro como segundo colocado no Grupo 1 e o Inter como líder do Grupo 2. A terceira fase foi novamente em grupos, com Fluminense e Cruzeiro passando para as semifinais como líder e vice-líder do Grupo A e Santa Cruz e Inter como primeiro e segundo colocados do Grupo B. Na semifinal, o Inter teve que vencer o Fluminense no Maracanã por 2 a 0, enquanto o Cruzeiro, também fora de casa, bateu o Santa Cruz por 3 a 2. A decisão foi dura, com os dois times muito próximos em qualidade técnica. Coube, então, ao Inter o título, graças a uma boa atuação dos seus grandes craques, 1 a 0, gol de Figueroa. Veja o vídeo e a ficha do jogo:


Inter 1 x 0 Cruzeiro
14 dezembro de 1975, no Beira-Rio, em Porto Alegre

Internacional: Manga; Valdir, Figueroa, Hermínio, Chico Fraga; Caçapava, Falcão, Carpegiani ; Valdomiro (Jair), Flávio e Lula. Técnico: Rubens Minelli.
Cruzeiro: Raul; Nelinho, Darci Menezes, Morais, Isidoro; Piazza, Zé Carlos, Eduardo; Roberto Batata, Palhinha e Joãozinho. Técnico: Zezé Moreira.
Gol: Figueroa, aos 12 minutos do segundo tempo.
Árbitro: Dulcídio Wanderlei Boschila.

(Fonte: Internacional)

A revanche

No Brasileirão de 1975 o Inter venceu, mas em 1976 o Cruzeiro deu o troco. Os dois times ficaram no Grupo 3, junto com os paraguaios Olimpia e Sportivo Luqueño. Só um time avançava à fase mata-mata. O Cruzeiro venceu os dois jogos, 2 a 0 em Porto Alegre, e 5 a 4 em Belo Horizonte, em um jogo de muitos gols. É esse o jogo que você vê abaixo. O Cruzeiro avançaria à segunda fase, bateria LDU e Alianza Lima em um triangular e decidiria a Copa com o River Plate. Em três jogos, a Raposa venceu por 4 a 1 o primeiro em Minas, perdeu o segundo por 2 a 1 em Buenos Aires e venceu o derradeiro por 3 a 2 em Santiago, no Chile. Foi a primeira conquista continental do Cruzeiro. E que teve o bônus de vingar a perda do título Brasileiro em 1975. Lembre o jogo com o Inter:

CRUZEIRO 5 x 4 INTERNACIONAL

07/03/1976 (Dom-17:30h) – Libertadores (1a fase) – Mineirão (Belo Horizonte, MG)

Público: 65.463 (Cr$ 793.407,00)

Árbitro: Luis Pestarino (ARG)

Auxiliares: Ramón Barreto (URU) e Juan Silvagno (CHI)

Gols: Palhinha 3’ e 10’; Joãozinho 21’ e 63′, Nelinho (pênalti) 85’/ Lula 14’, Valdomiro 39’, Zé Carlos (contra) 51’, Ramon 70’

Cruzeiro: Raul, Nelinho, Moraes, Darci, Vanderlei, Zé Carlos, Eduardo, Roberto Batata (Isidoro/65’), Jairzinho, Palhinha, Joãozinho. T: Zezé Moreira

Internacional: Manga, Cláudio (Valdir/46’), Figueroa, Hermínio, Vacaria, Falcão, Caçapava, Valdomiro, Escurinho, Flávio (Ramon/64’), Lula. T: Rubens Minelli

CA: Palhinha, Zé Carlos (C); Figueroa, Vacaria, Hermínio (I)

CV: Palhinha/57’ (C)

(Fonte: Almanaque do Cruzeiro)