O Boca Juniors encaminhou sua classificação na Copa Libertadores durante a semana passada. A vitória por 3 a 0 sobre a LDU em Quito dava uma excelente vantagem aos xeneizes e elevava ainda mais a confiança para o reencontro na Bombonera. Assim, os argentinos não precisaram de grande esforço para se confirmar nas semifinais do torneio continental. Com alguns momentos mais agressivos, mas durante a maior parte do tempo em ritmo de treino, os boquenses atravessaram uma noite tranquila em que o empate por 0 a 0 bastou. A ocasião ainda serviu para que Daniele De Rossi estreasse na Libertadores. Saiu do banco e quase anotou o gol nos minutos finais.

O técnico Gustavo Alfaro se deu ao luxo de até rotacionar as suas peças. E o Boca Juniors, mais objetivo no ataque, criou as primeiras chances de gol. Ramón Ábila chutou com muito perigo aos sete minutos e Lisandro López também ficou no quase, em cabeçada que passou rente à trave. Após 15 minutos em que aceleraram um pouco mais, os xeneizes tiraram o pé e conseguiram controlar a LDU. Por mais que os equatorianos tentassem pressionar, tinham dificuldades para criar oportunidades. Faltava precisão.

A LDU ainda lamentou a lesão do lateral Christian Cruz, aos 30 minutos. O defensor prendeu o pé na grama quando dava um carrinho e fraturou o tornozelo, em imagem bastante forte. O Boca também teve seu problema antes do intervalo. Eduardo Salvio sentiu e deu lugar a Sebastián Villa. O próprio colombiano seria o responsável pelo melhor lance do jogo, aos 12 minutos do segundo tempo. Cortou a marcação e arriscou de dentro da área, em chute forte que carimbou o travessão.

A falta de qualidade da LDU ficou expressa em seus ataques durante a etapa complementar. O time era um tanto quanto displicente na hora de concluir as jogadas. Rodrigo Aguirre poderia ao menos ter reavivado sua equipe aos 26, quando invadiu a área e ia saindo de frente para o gol, mas se enroscou com a bola e permitiu que a defesa o desarmasse, antes que Anderson Julio batesse para fora. A própria do adversário permitia que o Boca Juniors não se esforçasse. Preocupação mesmo só pelos desfalques antes do clássico contra o River Plate pelo Campeonato Argentino, no final de semana. Wanchope Ábila também precisou ser substituído por lesão.

De Rossi entrou em campo aos 35 minutos. E, de certa maneira, o meio-campista pareceu contagiar os xeneizes. O Boca teve algumas oportunidades para abrir o placar no final, especialmente nas bolas paradas. Kevin Mac Allister quase marcou em uma cobrança de falta fechada, que o goleiro Adrián Gabbarini salvou em cima da linha. Franco Soldano recebeu um passe açucarado de Carlos Tevez e, sozinho, errou o alvo. Já a brecha a De Rossi veio em outra bola alçada, ao tentar completar um rebote de Gabbarini. Reclamou de pênalti que a arbitragem não assinalou. Nada que fizesse falta.

A ansiedade se reserva agora para a possível sequência de encontros com o River Plate. O duelo pelo Campeonato Argentino no domingo tende a ser um aperitivo. As expectativas ficam para as semifinais da Libertadores, diante das enormes chances dos millonarios contra o Cerro Porteño. Os xeneizes certamente desejam a revanche. Possuem um time diferente em relação à final de 2018, com novas peças, mas que também conta com suas virtudes e se impôs nestas primeiras fases eliminatórias da competição continental em 2019. A história do Superclássico deve ganhar mais um capítulo grandioso.