Quem pensava que a ressaca pelo histórico título argentino pudesse afetar o Boca Juniors se enganou. Pelo contrário, os xeneizes pareciam com ainda mais gana para sua estreia em casa na Copa Libertadores 2020. Pior ao Independiente Medellín, que se tornou vítima em mais uma noite de festa na Bombonera. Com uma atuação implacável, os boquenses atropelaram os visitantes por 3 a 0. O placar saiu até barato, pela quantidade de chances criadas pelo time de Miguel Ángel Russo. A vitória deu mais motivos à atmosfera fantástica nas arquibancadas.

Durante a primeira meia hora de jogo, o Independiente Medellín até buscou equilibrar a partida na Bombonera e deu trabalho ao goleiro Esteban Andrada. No entanto, o Boca Juniors abriu caminho à vitória a partir dos 34 minutos. Depois de uma linda jogada de Frank Fabra pela esquerda, Eduardo Salvio apareceu no meio da área para concluir de cabeça e abrir o placar. O meia garantia a tranquilidade aos xeneizes, que contavam com o time completo – incluindo Carlos Tevez, herói do título no sábado, dúvida por um problema no tornozelo.

Com o gol, o jogo se abriu ao Boca Juniors. E o bombardeio se desenrolou principalmente durante o segundo tempo, exigindo bastante do goleiro Andrés Mosquera. Tevez perdeu um lance claríssimo aos seis minutos. Já aos 11, a partir de uma jogada de Sebastián Villa, Salvio aproveitou a sobra para ampliar. Neste momento, tudo indicava uma goleada boquense, mas os argentinos pararam no terceiro. Aos 26 minutos, logo após sair do banco, Emanuel Reynoso acertou uma linda cobrança de falta e superou Mosquera.

Nos minutos finais, enquanto o Boca perdoava o quarto gol, o espetáculo ficava mesmo para as arquibancadas. Empolgadíssima, a torcida xeneize cantava intensamente. Parecia dar sequência às comemorações pela conquista do Campeonato Argentino. Dentro de campo, os xeneizes também fizeram valer tamanha vibração. Após o tropeço contra o Caracas na estreia, o time de Miguel Ángel Russo chega à primeira vitória na Libertadores. Soma quatro pontos, na segunda colocação do Grupo H.

Nas demais partidas que não envolveram clubes brasileiros, o melhor resultado foi conquistado pelo América de Cali. Os Diabos Vermelhos se recuperaram da derrota na estreia para o Grêmio e bateram a Universidad Católica dentro do Chile. Duván Vergara abriu o placar aos colombianos, antes que Marcelino Núñez empatasse aos Cruzados cobrando falta. Já o tento da vitória por 2 a 1 foi anotado por Matías Pisano, a partir de uma bela trama dos alvirrubros. Com três pontos, o América aguarda o resultado do Gre-Nal para saber sua condição no Grupo E.

Em noite de duas viradas, o Libertad bateu o Caracas por 3 a 2 em Assunção. Carlos Ferreira abriu o placar ao Gumarelo, antes que Anderson Contreras e Alexis Blanco tomassem a dianteira aos venezuelanos no primeiro tempo. Já na segunda etapa, Ferreira e Iván Franco determinaram o triunfo dos paraguaios. A equipe lidera o Grupo H, o mesmo do Boca Juniors, com seis pontos.

Por fim, o Bolívar fez a sua parte em La Paz e derrotou o Tigre por 2 a 0. Jorge Flores (num chutaço de fora da área) e Erwin Saavedra determinaram o triunfo celeste no Hernando Siles. São os primeiros três pontos dos bolivianos, que haviam perdido na estreia durante a visita ao Guaraní, no Paraguai. O Bolívar disputa com os aurinegros a segunda posição do Grupo B, liderado pelo Palmeiras.