Cerca de cinco anos atrás, Charly Musonda era visto como um dos mais empolgantes talentos sendo desenvolvidos na Inglaterra. Parte das categorias de base do Chelsea desde 2012, o belga foi jogar no Betis por empréstimo e começou a se destacar em La Liga. O que parecia um bom início de carreira, no entanto, logo desandou para um longo e triste período de lesões que impediram o crescimento do jovem.  Em uma publicação em seu Instagram, o jogador, hoje prestes a completar 24 anos, abriu o peito para falar do calvário que tem vivido.

“Faz quatro anos que joguei dois jogos profissionais consecutivos pela última vez, três anos desde que joguei pela última vez pelo meu clube. Em dois dos últimos quatro anos, estive machucado, no ligamento cruzado posterior do meu joelho. Nada além de mágoa e sofrimento”, revelou o jogador.

Observado por diversos clubes, Musonda assinou no fim de 2015 o seu contrato profissional com o Chelsea. Na sequência, na segunda metade da temporada 2015/16, foi emprestado ao Betis e se destacou o bastante para ter o vínculo estendido para a temporada 2016/17. Seu início em Sevilha era tão bom que o Real Madrid chegou a tentar contratá-lo, mas foi recusado pelo Chelsea. A história foi revelada mais tarde, em 2018, quando Brendan Rodgers, então treinador do Celtic, comemorava a contratação por empréstimo do jovem pelos escoceses.

A temporada 2016/17, no entanto, acabou não sendo o momento de decolada do belga. A lesão no ligamento cruzado posterior do joelho acabou por encurtar seu empréstimo ao Betis. Em janeiro de 2017, estava de volta ao Chelsea, e os problemas subsequentes no joelho limitaram suas chances apenas ao time Sub-23.

Novamente incluído no elenco principal na temporada 2017/18, Musonda teve poucos minutos em campo antes de ir para o Celtic por empréstimo, mas, no que até hoje foi sua única partida como titular dos Blues, marcou um gol na goleada por 5 a 1 sobre o Nottingham Forest, pela Copa da Liga Inglesa, em setembro de 2017.

Pelo Celtic, fez apenas oito partidas. Em 2018, se juntou ao Vitesse por empréstimo, mas os problemas físicos se intensificaram. No clube neerlandês, esteve em campo apenas quatro vezes e, por fim, em 2019, foi para a mesa de operação.

“Os médicos me disseram que passar por cirurgia depois de ficar tanto tempo fora seria o fim. ‘Uma montanha impossível de escalar’ foram as palavras exatas. Sinto muita falta do futebol, para dizer o mínimo, e estou fazendo tudo que posso para jogar novamente. A todas as crianças que estão aí, que têm um sonho e estão machucadas ou passando por reveses monumentais, nunca desistam! Eu continuarei escalando a montanha insuperável todos os dias para que possa correr com uma bola de novo. Porque não há sensação melhor do que driblar alguém e se sentir vivo”, prosseguiu Musonda em seu texto.

“Até que este dia chegue, continuarei treinando e acreditando na reviravolta impossível, porque as maiores reviravoltas sempre são aquelas em que parece não haver caminho de volta. E é então que precisamos ir fundo e viver para contar a história, não morrer nela. Essa é minha história e de como eu continuo treinando e me preparando, para que um dia, contra todas as estatísticas, eu esteja de volta”, encerrou.

Musonda, com contrato com o Chelsea até 2022, completará 24 anos em 15 de outubro. Na mesma data, mas em 2016, após uma partida entre Real Madrid e Betis, teve a oportunidade de encontrar o ídolo Cristiano Ronaldo na saída dos vestiários. A conversa, que à época viralizou, mostra um garoto bem franzino e com os olhos cheios de admiração, revelando ao português que vestia a camisa 7 por ser fã de seu futebol.

Que a determinação expressa por Musonda em seu texto se mantenha e seja também um traço que ele tenha tomado de inspiração de Cristiano Ronaldo. Quem melhor para servir de referência de dedicação e superação que o português?