Nesta sexta-feira, os muros da sede do Fortaleza amanheceram pichados. Os protestos de “Acabou a Paciência” e “O Terror vai começar”, entre outros, pareciam completamente dissonantes com a realidade do time, que conquistou três títulos desde o fim de 2018 e vinha de uma semana histórica, após erguer pela primeira vez o Nordestão. De fato, não foram torcedores que realizaram o ato. Foi o próprio clube. E por uma iniciativa fundamental: promover uma campanha de prevenção ao suicídio.

‘A dor existe mesmo onde tudo parece estar bem’ é o nome da ação, idealizada em conjunto com o Ministério Público do Ceará. “É o início de uma série de ações que MPCE e o clube vão desenvolver juntos para combater esse mal silencioso, que às vezes se esconde até por trás de uma grande euforia”, escreve o clube.

Segundo dados fornecidos pelo Leão do Pici, a cidade de Fortaleza ocupa o segundo lugar como capital onde ocorrem mais suicídios. No estado, são pelo menos 600 casos notificados por ano. E, no Brasil, pelo menos 12 mil pessoas por ano tiram a própria vida. O país está entre os 10 países com maior número de suicídios. Além desses dados, o suicídio já é considerado a quarta maior causa de morte entre homens e mulheres brasileiros de 15 a 29 anos.

A discussão é fundamental, embora muitas vezes ignorada – e, pior, menosprezada. É essencial o papel do Fortaleza, fomentando o debate e conscientizando sobre a maneira de lidar com a prevenção ao suicídio. Mais uma bola dentro dos tricolores.

*****

A campanha do Fortaleza liga um sinal de alerta e nos permite estender a mão, reforçando o que publicamos no site há cerca de um mês. Caso você sofra de depressão ou possui algum entrave ligado à saúde mental, procure ajuda. Também o faça se você se sentir depreciado, com a autoestima baixa, desesperançoso com a vida e/ou se isolar das relações sociais. Não hesite em buscar auxílio ou o atendimento com um profissional – por exemplo, no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de sua cidade ou região, ligado ao SUS, ou mesmo na Unidade Básica de Saúde mais próxima. Você também pode procurar o CVV, o Centro de Valorização da Vida. O canal realiza apoio emocional e prevenção ao suicídio. Através do número 188, atende gratuitamente pessoas que desejam conversar, sob total sigilo. O contato também pode ser feito pelo site oficial, por e-mail ou mesmo por Skype. Quando você pede ajuda, você: “é respeitado e levado a sério; tem o seu sofrimento levado em consideração; fala em privacidade com as pessoas sobre você mesmo e sua situação; é escutado; é encorajado a se recuperar”.

E se você conhece alguém em uma situação de risco, não deixe de procurar essa pessoa e de oferecer ajuda. O Ministério da Saúde também possui uma página em que orienta como identificar, agir e prevenir o suicídio. Reconheça os sinais, conforme a indicação da Superinteressante e do Ministério da Saúde: “frases ou publicações nas redes sociais que falem de solidão, culpa, apatia, autodepreciação, desejo de vingança ou hostilidade fora do comum; isolamento, não atendendo a telefonemas, interagindo menos nas redes sociais, ficando em casa ou fechadas em seus quartos, reduzindo ou cancelando todas as atividades sociais, principalmente aquelas que costumavam e gostavam de fazer; preocupação com sua própria morte ou falta de esperança, com sentimento de culpa, falta de autoestima e visão negativa de sua vida e futuro; diminuição ou ausência de autocuidado; aumentar o uso de álcool ou drogas, mudanças drásticas de peso, dirigir perigosamente; perguntas sobre métodos letais, como facas, armas ou pílulas; enaltecer e glamorizar a morte; desfazer-se de objetos pessoais e dar adeus”. Vale ressaltar que, embora não seja a maioria das pessoas doentes que cogita ceifar a própria vida, os transtornos mentais são um fator de risco ao suicídio. Em compensação, há sempre uma saída. O avanço da medicina ligada à saúde mental é significativo e a atenção dada pelo sistema público de saúde ao tema cresceu nos últimos anos.

Diante da possibilidade de ajuda, o Ministério da Saúde orienta “a encontrar um momento apropriado e um lugar calmo para falar sobre suicídio com essa pessoa. Deixe-a saber que você está lá para ouvir, ouça-a com a mente aberta e ofereça seu apoio. Incentive a pessoa a procurar ajuda de profissionais de serviços de saúde, de saúde mental, de emergência ou apoio em algum serviço público. Ofereça-se para acompanhá-la a um atendimento. Se você acha que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de saúde, de emergência e entre em contato com alguém de confiança, indicado pela própria pessoa. Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo”.

Segundo dados da OMS, destacados pela Associação Brasileira de Psiquiatria, “mais de 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano em todo o mundo, o que equivale a uma morte a cada 40 segundos, sendo que a cada três segundos uma pessoa atenta contra a própria vida. No Brasil, foram 11.821 suicídios oficialmente registrados em 2012, o que representa, em média, 32 mortes por dia. Estima-se que o número de suicídios seja maior do que o registrado, devido ao estigma. Milhões de pessoas são afetadas pelo luto ao suicídio a cada ano. Estudos indicam que cada caso de suicídio tem sério impacto na vida de pelo menos outras seis pessoas de forma direta. Sentimentos ambivalentes são comuns em relação ao ente querido que faleceu de suicídio, como luto, raiva, culpa e outros. É importante aceitá-los como naturais, conversar com familiares e amigos, além de buscar atendimento médico e/ou psicológico, se necessário”. Não deixe de se abrir, se você enfrenta o luto por suicídio.