especiaisFutebol femininoMundo

Pequim 2008

Pela primeira vez, o Pré-Olímpico da América do Sul foi o torneio Sul-Americano Sub-20 do ano anterior. E em 2007 o Brasil venceu a competição, comandado por Alexandre Pato e Lucas Leiva. Estava, junto com a Argentina, garantido em Pequim, mas os albicelestes contavam com um reforço de peso para as Olimpíadas: Lionel Messi.

Na primeira fase, o Brasil esteve longe de empolgar. Venceu a Bélgica por 1 a 0, gol marcado por Hernanes aos 34 minutos do segundo tempo. No segundo jogo, goleada sobre a frágil Nova Zelândia por 5 a 0 com dois gols de Ronaldinho Gaúcho, já em declínio na carreira e visivelmente acima do peso. Anderson, Alexandre Pato e Rafael Sóbis fecharam a conta. No terceiro jogo, vitória por 3 a 0 sobre a China, com dois gols de Thiago Neves e um de Diego.

A Argentina teve um caminho bem mais difícil e mostrou firmeza com três vitórias suadas sobre Costa do Marfim (2 a 1), Austrália (1 a 0) e Sérvia (2 a 0). Além de Messi, que ainda não era o melhor jogador do mundo naquele momento, o time contava com Sergio Agüero, Ángel Di María e Ezequiel Lavezzi, convocados com frequência para a seleção principal. Juan Román Riquelme era o camisa 10, deixando Messi com a 15.

Entre as outras seleções, destacavam-se a Nigéria, com os bons atacantes Chinedu Obasi e Peter Odemwingie, e a Bélgica, que contava com o excelente meio-campista Marrouane Fellaini, além de outros bons jogadores como Kevin Mirallas e uma dupla de zagueiros que hoje é titular da seleção principal: Vincent Kompany e Thomas Vermaelen.

Nas quartas de final, o Brasil tinha um trauma para superar: enfrentou Camarões, algoz em Sidney, e o jogo foi para a prorrogação. Mas Rafael Sóbis e Marcelo espantaram o fantasma da eliminação. A Argentina também precisou do tempo extra para eliminar a Holanda, enquanto a Nigéria superou Costa do Marfim por 2 a 1 e a Bélgica fez 3 a 2 na Itália do ótimo atacante Giuseppe Rossi.

Era chegada a hora da verdade. Brasil e Argentina se encontraram nas semifinais e, após um primeiro tempo tenso e sem muitas emoções, brilhou a estrela de Kun Agüero, que abriu o placar aos sete minutos e ampliou a contagem aos 12. Riquelme, aos 31, fechou o placar cobrando pênalti. Na outra semifinal, a Nigéria goleou a Bélgica por 4 a 1 com facilidade.

Na decisão disputada no dia 23 de agosto, argentinos e nigerianos se enfrentavam numa revanche de 1996, quando os africanos levaram a melhor. Em Pequim, porém, o time albiceleste foi superior, apesar do jogo bastante truncado, e venceu por 1 a 0 com justiça. O gol do bicampeonato foi marcado pelo meia-atacante Ángel Di María.

FICHA TÉCNICA

Argentina 1×0 Nigéria
Local: Estádio Nacional, em Pequim
Público: 89102
Árbitro: Viktor Kassai (Hungria)
 

Argentina: Romero, Zabaleta, Garay, Pareja e Monzón; Gago, Mascherano, Riquelme e Di María (Banega); Messi (Lavezzi) e Agüero (Sosa). Técnico: Sergio Batista.
Nigéria: Vanzekin, Okonkwo, Adeleye, Apam e Adefemi; Monday James, Ajilore, Obinna e Promise (Ekpo); Odemwingie e Okoronkwo (Anichebe). Técnico: Samson Siasia.
Gol: Di María (13/2º)

Classificação final: 1º Argentina, 2º Nigéria, 3º Brasil, 4º Bélgica, 5º Itália, 6º Costa do Marfim, 7º Holanda, 8º Camarões, 9º Estados Unidos, 10º Coreia do Sul, 11º Austrália, 12º Sérvia, 13º China, 14º Nova Zelândia, 15º Japão, 16º Honduras.

VOLTAR AO INÍCIO

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo