ArgentinaMundoPortugal

Ronaldo teve seu 2º ano mais artilheiro na carreira, mas sem muito mais a comemorar

O último jogo de Cristiano Ronaldo na temporada é uma boa representação do que foi o ano do atacante do Real Madrid. Jogando pela seleção de Portugal, ele marcou três gols e comandou a vitória sobre a Armênia por 3 a 2. Chegou a 60 partidas e 66 gols na temporada, um número impressionante, mas não é o melhor da sua carreira. Em 2011/12, ele conseguiu 69 gols em 69 jogos. Curiosamente, ao final daquele 2012, o eleito para melhor do mundo foi Lionel Messi. Desta vez, em sua segunda melhor temporada em termos individuais, ele deve perder o posto de melhor do mundo para Messi, que ganhou simplesmente tudo pelo Barcelona.

LEIA TAMBÉM: Cristiano Ronaldo e sua máquina de gols já passaram Di Stéfano; o próximo é Raúl

Os números não dizem tudo. Cristiano Ronaldo não foi mais decisivo nesta temporada do que foi na temporada anterior, quando acabou campeão da Champions League. Tanto é que criticamos a atuação do português no jogo da eliminação do Real Madrid contra a Juventus, na semifinal do torneio continental de clubes. Fez mais gols do que nas duas últimas temporadas, mas não conseguiu levar o seu time a qualquer título. Todos ficaram nas mãos do rival Barcelona.

Não quer dizer que Cristiano Ronaldo só faça gols nos times pequenos, nem que seja um pipoqueiro. Quer dizer que ele não foi tão decisivo quanto em temporadas anteriores, mas também porque o ano do seu principal concorrente fez uma temporada monstruosa. O Barcelona disputa com o Real Madrid em todas as frentes e o principal jogador do time catalão, Messi, faz um 2015 absolutamente fantástico. Isso atenua um pouco, mas Ronaldo sabe que podia ter feito mais.

Em 2011/12, a sua melhor temporada em termos de números, fez 69 gols, mas conquistou o título de campeão espanhol. Aliás, o seu único título espanhol até aqui, desde que chegou ao Real Madrid, em 2009 – justamente o período que o Barcelona está vivendo uma das melhores fases da sua história. Curiosamente, neste ano que foi campeão espanhol, não foi artilheiro. Quem ficou com o prêmio foi Messi, com 50 gols contra 46 de Ronaldo. Naquela temporada, o argentino conseguiu uma marca absurda: fez 82 gols em 73 jogos. Foi o ano do recorde, que detalhamos aqui.

Cristiano Ronaldo tem o azar de competir com Messi, um dos maiores jogadores de todos os tempos. Por outro lado, tem sorte também. Porque Messi o obriga a jogar sempre no limite, tentar o máximo, ir até onde for possível. E ele consegue, tanto que conseguiu, nos dois últimos anos, 2013 e 2014, levar o prêmio de melhor do mundo, mesmo com a concorrência voraz do argentino.

Os números desta temporada mostram que ele chegou a 66 gols, a segunda melhor marca na sua carreira. Mas não foi a segunda melhor temporada da carreira. As duas anteriores foram melhores, mesmo com números menores. Porque os números são importantes, mas eles não dizem tudo. Mesmo com estes números, Ronaldo certamente sente que não fez o seu melhor ano, nem o seu segundo melhor. Sabe que precisará fazer mais para concorrer com o camisa 10 da argentina e do Barcelona. Terá que ir além da frieza dos números para a alma em campo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo