A série FIFA, da EA Sports, se notabilizou no futebol virtual tradicional como uma das mais bem sucedidas. Porém, tal como uma empresa que, quando se descobre como uma das líderes de mercado em determinado segmento, resolve tentar ampliar seus domínios e buscar a sorte em outro campo, a companhia se arriscou no mundo manager, então já dominado pela poderosa Sports Interactive (SI) e seu Championship Manager (CM) — e hoje Football Manager (FM). Já estávamos, portanto, em algo próximo a 2003, quando Total Club Manager (TCM), antecessor do que hoje é conhecido como FIFA Manager, estreou no mercado gamer. Uma bola muito bem chutada, mas que não teve a devida precisão, como se observará.

Essa não seria a primeira tentativa da empresa canadense, em parceria com a entidade que gere o futebol no mundo, nessa área. Em 1997, lançou-se, para PC, FIFA Soccer Manager (FSM). Tratava-se de um dos primeiros games do gênero (leia-se, dentre os mais aprimorados, é claro), desenvolvido para computador. Para a época, o jogo tinha excelentes atributos. Graficamente, era muito bonito, e já permitia que o jogador observasse a partida em si em vários ângulos. Com as quatro principais divisões do futebol inglês, mais as duas de outros países, como Escócia e Alemanha, o game fez considerável sucesso para a época, até por contar com atletas oficiais de cada equipe, atuando em um gramado de 16-bits, semelhante àqueles encontrados nos FIFA para Mega Drive ou Super Nintendo.

Então esse foi o antecessor direto da série TCM/FIFA Manager? Bem, sim e não. Acontece que, em 1998, devido ao interessante sucesso de FSM, especialmente no Reino Unido — importante termômetro europeu no que diz respeito ao sucesso de séries de games, de forma geral —, a EA Sports lançou FA Premier League Football Manager (PLFM) 1999, referente à temporada 1998/99 da Liga Inglesa. Ocorre que, se a primeira tentativa da EA Sports em se dar bem no mundo manager foi bem sucedida, a segunda foi um fracasso, que se estendeu até 2002, ano em que foi ao mercado a última versão de PLFM. O software ficou notabilizado por bugs, erros de continuidade e pela acachapante derrota para o concorrente CM, que vivia, naquela época, seu “boom” pelo mundo.

Sem desistir de marcar território no meio, a Eletronic Arts reformulou a ideia do game, antes bastante fechado ao futebol inglês, e fez o completamente novo Total Club Manager 2003. Um dos destaques era justamente a visão 3D, semelhante à própria série FIFA, nas partidas, com alterações técnicas e táticas podendo ser feitas com o jogo em andamento, pelos comandos do teclado. O usuário, além disso, também poderia escolher entre diferentes tipos de carreira, como a fixa, onde, independentemente do que fizer, seguirá no comando do clube escolhido, ou a real, onde, se não for bem, é demitido na hora.

Interessante notar também que TCM 2003 facilitava, de alguma forma, a escalação dos jogadores, já que sintetizava, para um determinado “rate”, o nível de cada um dos atletas. Era mais ou menos como se todas as habilidades daquele atleta se resumissem a um número, que variava de posição para posição, dependendo de onde ele rendesse mais. Um centroavante, por exemplo, não renderia nada bem atuando no meio campo, assim como, mesmo no ataque, poderia cair melhor pela esquerda do que pela direita. Tudo dependia, obviamente, do esquema tático e do feeling do treinador.

Para a versão 2004 de TCM, o estilo de jogo era basicamente o mesmo, obviamente, visualmente melhorado e com a database atualizada. Dentre as novidades, estavam a inclusão de novos jogadores e ligas e a possibilidade de dar “um incentivo a mais no vestiário”. Mas, principalmente, agora se podia alterar não apenas a base de dados existente, como criar novos elementos para tal e interagir com a série FIFA, graças ao mecanismo do Football Fusion, mantido nas versões seguintes. Foi também a primeira versão do game que se estendeu dos PCs para consoles como Xbox e Playstation 2. Certamente, a principal evolução da franquia “alternativa” de futebol virtual da EA Sports.

A edição 2005 que contou com mudanças um pouco mais palpitantes. A principal era a possibilidade de se fundar o próprio clube e começar nas divisões extremamente inferiores do país escolhido, lutando para chegar à elite. Por exemplo: se criar uma equipe na Inglaterra, o começo será na obscura nona (!) divisão. Nesse caso, os times, por estarem fora da Football League, não eram reais, e mudavam de nome constantemente. Houve melhora no acompanhamento do jogo em 3D, que agora podia ser feito em uma tela de menor tamanho — melhor para computadores mais propensos a lags — ou em tela inteira. No entanto, os primeiros lançamentos vinham com alguns bugs justamente para quem escolhia esse modo e, por alguma razão, “demorava” na escolha dos atributos…

No entanto, para 2006, a Eletronic Arts resolveu mexer na brincadeira, de forma a tentar atrair mais fãs para a série, e deu um novo nome à série: FIFA Manager. Uma alteração, todavia, quebrou certa “magia”, por assim dizer, que era a interessante interação entre as duas vertentes futebolísticas da EA Sports. Em 2007, por sua vez, as alterações mais curiosas ocorreram no “Career Mode”, quando se possibilitou escolher um atleta em toda a equipe para ser o “queridinho do treinador” e, se assim desejasse, podia-se comandá-lo nas partidas, que, tal como a versão anterior de FIFA Manager, usava como base a qualidade gráfica do UEFA Champions League 05-06. Aprimorou-se, literalmente, a questão da “vida pessoal” do treinador. Afinal, é importante ter um balanço entre as decisões familiares e profissionais, para que se ganhe respeito. E no game, não era diferente.

A bem da verdade, FIFA Manager, de 2007 até 2009, pouco apresentou de grandes novidades, já que as alterações eram, em sua maioria, de cunho tático e quase imperceptíveis. Buscou-se inovar com a criação de um “filme” durante determinados momentos, discorrendo sobre a temporada e alguma ação relevante, como a contratação de um jogador, por exemplo. No entanto, não se pode esperar que sempre o vídeo seja diferente, e, depois de certo tempo, ele passa a ser bastante enjoativo.

Grandiosidade excessiva

Como se viu, ao longo da história, a EA Sports até teria motivos para crer que poderia chegar ao topo dos games manager. No entanto, passou muito, mas muito longe. Algumas razões residem na própria intenção de querer se mostrar grande em um espaço em que, mais do que o brilhantismo visual de interfaces e a possibilidade de se acompanhar a partida em terceira dimensão, predominavam a velocidade e a simplicidade, além, claro, da aproximação do game com o público. Não eram todos os computadores, mesmo em nível global, que poderiam rodar, de maneira perfeita e veloz, a série. Enquanto isso, com menos exigências visuais, Football Manager e mesmo Championship Manager nunca sofreram com o rival. Basta dizer que apenas em sua versão 2009, FM passou a necessitar ser rodado em formato DVD, e não mais em CD-ROM.

Outro fator, e esse, talvez tenha sido o mais clamoroso, é a presença de muitos e evidentes bugs no desenvolvimento do jogo. Para se ter uma ideia, na última versão, já se prepara um quarto patch de correção, para suprir os já inúmeros erros presentes na edição 2009. Os demais games manager também têm seus bugs, mas, de forma geral, costumam ser sanados rapidamente. Tanto que os patches lançados, muitas vezes, são encaminhados mais com atualizações do que propriamente com a conferência de algum dado que prejudique cruelmente o andamento do jogo.

Mas o principal motivo é justamente o fato de ser um game… manager! Embora FIFA se mantenha, desde o meio dos anos 90, na parte de cima do futebol virtual, ela tem um rival ferrenho, a bem da verdade, desde igual período, que são os jogos da Konami (e aí, apenas para critério de comparação, podemos igualar International SuperStar Soccer a Winning Eleven/Pro Evolution Soccer). Nesse ramo de games onde o jogador é o treinador da equipe, a coisa muda de figura, porque a Sports Interactive sempre dominou o mercado com CM e, posteriormente, FM.

É como se hoje se tentasse criar uma nova série para competir com EA Sports e Konami no meio “usual”. Fatalmente, esse game seria esmagado pelos concorrentes, e sairia rapidamente de linha. É que estamos falando de Eletronic Arts… E como lembrou bem o colega jornalista de games Cláudio Prandoni, a EA adora se arriscar nessas ideias mirabolantes de conquistar mercado. Esse é um que, no entanto, ela não teve chance. A menor chance.

Vendagens das últimas duas semanas (apenas jogos de futebol)

Fonte: Gamasutra

Poucas mudanças em relação à última semana. FIFA 2009 recuperou a liderança surpreendentemente perdida nos resultados de 17 de abril na listagem do Xbox 360 no Reino Unido. Como destaque positivo para o meio futebolístico, está a “dobradinha” nas avaliações de 1º de maio para o PSP, com FIFA na liderança e Football Manager em segundo lugar. E segue a pergunta: por onde anda o badalado Pro Evolution Soccer 2009? Abre o olho, Konami!

Dados de 24/04 (1ª semana)

Xbox 360 – Reino Unido (Europa)

1. FIFA 09 (EA Sports), 2. Grand Theft Auto IV (Rockstar), 3. Left 4 Dead (EA Games), 4. Fable II (Microsoft), 5. Resident Evil 5 (Capcom).

PlayStation 3 – Reino Unido (Europa)

1. LittleBigPlanet (SCEE), 2. Resident Evil 5 (Capcom), 3. Killzone 2 (SCEE), 4. FIFA 09 (EA Sports), 5. Grand Theft Auto IV (Rockstar).

PlayStation 2 – Reino Unido (Europa)

1. SingStar: Queen (SCEE), 2. SingStar: ABBA (SCEE), 3. Guitar Hero III: Legends of Rock Bundle (Activision), 4. FIFA 09 (EA Sports), 5. SingStar: Legends (SCEE).

PC – Reino Unido (Europa)

1. Football Manager 2009 (Sega), 2. World of Warcraft: Wrath of the Lich King (Blizzard), 3. Fallout 3 (Bethesda), 4. Empire: Total War (Sega), 5. The Orange Box (EA Games).

PlayStation Portable (PSP) – Reino Unido (Europa)

1. FIFA 09 (EA Sports), 2. Grand Theft Auto: Vice City Stories (Rockstar), 3. Resistance: Retribution (SCEE), 4. Tiger Woods PGA Tour 09 (EA Sports), 5. Football Manager 2009 (Sega)

Dados de 01/05 (2ª semana)

Xbox 360 – Reino Unido (Europa)

1. FIFA 09 (EA Sports), 2. Left 4 Dead (EA Games), 3. Left 4 Dead (EA Games), 4. Resident Evil 5 (Capcom), 5. Grand Theft Auto IV (Rockstar).

PlayStation 3 – Reino Unido (Europa)

1. LittleBigPlanet (SCEE), 2. Killzone 2 (SCEE), 3. Resident Evil 5 (Capcom), 4. FIFA 09 (EA Sports), 5. Grand Theft Auto IV (Rockstar).

PlayStation 2 – Reino Unido (Europa)

1. SingStar: Queen (SCEE), 2. SingStar: ABBA (SCEE), 3. FIFA 09 (EA Sports), 4. Lego Batman (Warner Bros.), 5. Shin Megami Tensei: Persona 3 FES (Koei).

PC – Reino Unido (Europa)

1. Football Manager 2009 (Sega), 2. World of Warcraft: Wrath of the Lich King (Blizzard), 3. Warhammer 40,000: Dawn of War II (THQ), 4. Empire: Total War (Sega), 5. Grand Theft Auto IV (Rockstar).

PlayStation Portable (PSP) – Reino Unido (Europa)

1. FIFA 09 (EA Sports), 2. Football Manager 2009 (Sega), 3. Resistance: Retribution (SCEE), 4. Patapon 2 (SCEE), 5. Tiger Woods PGA Tour 09 (EA Sports).