Internazionale e Napoli protagonizavam o grande jogo da rodada na Serie A. Uma partida de peso não apenas pela qualidade dos times, mas também pelo confronto direto na tabela. E o duelo no San Siro beirou o inacreditável diversas vezes. Vários momentos particulares (pelo bem e pelo mal) aconteceram ao longo da noite, que parecia fadada ao empate sem gols. Entretanto, em um movimentado final, o desfecho aconteceu nos acréscimos. Lautaro Martínez saiu do banco e em poucos minutos fez sua estrela brilhar, ao garantir a vitória nerazzurra por 1 a 0. Os napolitanos, de qualquer forma, deixam Milão insatisfeitos com a arbitragem, que expulsou Kalidou Koulibaly (vítima de cânticos racistas) e Lorenzo Insigne nos instantes derradeiros.

Bastaram segundos para a primeira surpresa acontecer no San Siro. Logo na saída de jogo, Mauro Icardi resolveu arriscar o chute direto do círculo central. Por mais que o goleiro Alex Meret estivesse no lance, a bola bateu no travessão. Quase um gol espetacular. E só um aviso ao bom início da Inter, que tinha mais criatividade e ameaçava mais. Já do outro lado, a resposta do Napoli veio aos 16 minutos, com Insigne forçando boa defesa de Samir Handanovic. Só que os celestes teriam uma má notícia quando Marek Hamsik se lesionou, deixando o campo aos 24.

Que o Napoli arriscasse a gol algumas vezes, a Inter seguiu claramente superior até o intervalo. Ivan Perisic chegou a balançar as redes, em lance corretamente anulado. E no final da primeira etapa, Icardi viveu outro lance incrível. Dentro da área, tentou finalizar duas vezes. Conseguiu ser travado pela defesa napolitana, com Koulibaly fazendo uma intervenção vital. O zagueiro, que confirmou a renovação de seu contrato, era alvo de cânticos racistas no San Siro. Surrealmente, o sistema de som do estádio chegou a advertir a torcida, sem que nenhuma outra autoridade tomasse qualquer atitude.

O Napoli melhorou no segundo tempo. Sua defesa se protegia muito bem, com Koulibaly fazendo uma partida excelente. Além disso, os celestes passaram a dominar a posse de bola e chegavam à meta de Handanovic com frequência, apesar da falta de agressividade. O esloveno evitou o gol napolitano com uma ótima defesa, se esticando para espalmar o arremate de José Callejón. E quando a partida se aproximava dos momentos decisivos, os técnicos tentaram imprimir mais velocidade. Keita Baldé e Dries Mertens saíram do banco.

As esperanças do Napoli, porém, diminuíram aos 35 minutos. Koulibaly cometeu uma falta questionável em Matteo Politano e recebeu o amarelo. Depois, aplaudiu ironicamente, ganhando o cartão vermelho. Saiu vagarosamente de campo, indignado, após conversar também com Icardi. Possivelmente o descontentamento com Paolo Mazzoleni, por não paralisar o jogo durante os cânticos racistas, influenciou em sua reação. Alguns veículos italianos também apontam que os aplausos foram direcionados à torcida e que Mazzoleni entendeu como uma ironia a ele. Independentemente disso, um episódio para ser investigado com rigor. Logo depois, Luciano Spalletti aproveitou a vantagem numérica e mandou Lautaro Martínez a campo, substituindo João Mário. Uma troca providencial.

O final de jogo, ainda assim, foi totalmente aberto. E inacreditável, pra variar. Icardi forçou uma defesaça de Meret. Já do outro lado, um lance no qual a bola não entrou por milagre. Handanovic fez duas grandes defesas em sequência. Com o goleiro batido, a sobra ficou com Piotr Zielinski e o polonês chutou forte, mas Kwadwo Asamoah apareceu em cima da linha para salvar. Aos 46, enfim, Lautaro anotou o gol decisivo. Marcelo Brozovic lançou Keita Baldé, que avançou pela esquerda. O cruzamento desviou na marcação, Matías Vecino deixou passar e o atacante argentino arrematou de primeira. A bola ainda ricocheteou no marcador, antes de morrer nas redes. Com o jogo resolvido, Insigne também foi expulso por se desentender com Baldé, sem que as câmeras explicitassem qual o verdadeiro o motivo da confusão.

Antes da partida, o presidente Aurelio de Laurentiis já havia reclamado da “parcialidade” de Mazzoleni, dizendo que o árbitro sempre prejudica o Napoli. As expulsões justificam as afirmações do dirigente, especialmente pela passividade diante do racismo contra Koulibaly. E o resultado ainda auxilia a Juventus, em uma rodada na qual a Velha Senhora só empatou com a Atalanta. Os napolitanos permanecem na segunda colocação, com 41 pontos, agora nove a menos que os líderes. Já a Inter se aproxima. Na terceira posição, os nerazzurri estão com 36 pontos, já sete de vantagem no G-4.