Cinco partidas da segunda perna da Copa do Brasil foram disputadas, nesta quarta-feira, e houve muita ação. Juventude e Vasco precisaram dos pênaltis para avançar, enquanto o Ceará conseguiu uma grande virada contra o Vitória, após estar perdendo por 2 a 0, e também segue vivo na competição. Gatito brilhou na vitória do Botafogo sobre o Paraná, e o Cruzeiro, depois de perder a ida, em março, não conseguiu reverter sua sorte contra o CRB.

Fernando Miguel, o herói

O Goiás carregou uma importante vitória por 1 a 0 em São Januário para o segundo jogo, no Serrinha. Os goleiros trocaram boas defesas em um primeiro tempo meio morno, mas que terminou com um gol para cada lado. Henrique cruzou da esquerda, a bola desviou e flutuava de maneira ameaçadora em direção ao gol. Cano apareceu na segunda trave para conferir, e a bola ainda bateu em Tadeu antes de entrar. O Goiás empatou com Rafael Vaz, velho conhecido dos cruz-maltinos.

No segundo tempo, Benítez pegou de fora da área e outro desvio foi gentil com o Vasco. A bola subiu, encobriu Tadeu, e deixou o placar agregado empatado. Fernando Miguel e Tadeu fizeram grandes defesas para garantir que a decisão viesse nos pênaltis. Daniel Bessa isolou o primeiro, Cano colocou o Vasco à frente. Rafael Vaz converteu bem, mas Yago Pikachu parou em Tadeu.

Tudo igual. Keko marcou para o Goiás, e Benítez respirou aliviado quando viu a bola bater na trave e entrar. Fernando Miguel ficou parado no meio do gol para espalmar a cobrança de Rafael Moura. Bruno César adiantou o Vasco, e Miguel fez outra defesa, contra Marcinho, para garantir o Vasco na próxima fase.

Virada do Vozão

O Ceará havia vencido o jogo de ida, no Castelão, por 1 a 0, e, no comecinho da partida desta quarta, no Barradão, saiu atrás, com um chute firme de Léo Ceará da entrada da área. Aos 14 minutos, os baianos passaram à frente no placar agregado. Fernando Prass saiu do gol e dividiu com Vico, bem na entrada da área, lance que o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior considerou pênalti. Thiago Carleto converteu.

O apitador voltaria a interferir, na marca da meia-hora. Meio rígido demais. Charles e Léo Ceará bateram boca na grande área, aguardando um escanteio. O primeiro deu um empurrãozinho com o braço, o segundo respondeu com um tapinha, e Paulo Roberto mostrou cartão vermelho para ambos. Na cobrança, o Ceará quase fez um gol olímpico e, na sequência, o Vitória cortou em cima da linha.

O Ceará teve a chance de descontar em uma cobrança de pênalti, cuja marcação gerou mais uma expulsão, de Vico, do Vitória, por reclamação, mas Rafael Sobis parou no goleiro Ronaldo, que ainda fez bela defesa no rebote. Antes do intervalo, outra penalidade, de Fernando Neto em Sobis. Desta vez, ninguém expulso, e Vinícius descontou para os cearenses.

Com um a mais, o Ceará não demorou a empatar no segundo tempo. Leandro Carvalho cruzou da esquerda e Carleto desviou contra o próprio patrimônio. Gabriel Furtado acertou o travessão para o Vitória, mas, no contra-ataque, Fernando Sobral virou a favor do Ceará.

O Vitória ainda empatou, com Caicedo, após Fernando Prass deixar vivo o chute de Jonathan Bocão. No fim do jogo, Lima fechou o placar em 4 a 3 a favor do Ceará, com um lindo drible dentro da área antes de finalizar pelo alto.

CRB elimina o Cruzeiro

Campeão alagoano e depois de ter brigado pelo acesso na Série B ano passado, o CRB despachou o maior campeão da Copa do Brasil. O Cruzeiro, precisando ir para cima após perder o jogo de ida por 2 a 0, levou perigo no primeiro tempo, mas abriu o placar apenas pouco antes do intervalo, quando Giovanni recebeu de Riquelmo dentro da área e bateu cruzado. Mas, aos 18 minutos da etapa seguinte, Léo Gamalho aproveitou o escorregão de Léo, dominou na marca do pênalti e bateu no canto para empatar.

Gatito faz boas defesas

O Botafogo havia vencido a ida por 1 a 0 e correu riscos no primeiro tempo. Gatito fez a primeira boa defesa da partida, aos três minutos, com um chute de Gabriel Pires de fora da área. Andrey teve duas boas oportunidades, a primeira após cruzar o gramado em contra-ataque e chutar para fora, a segundo parando em Gatito. Nos acréscimos, Bruno Gomes bateu a carteira de Kanu, Bressan ficou com a sobra e chutou para fora também.

No começo do segundo tempo, Marcelo Benevenuto subiu bem alto para cabecear a cobrança de escanteio de Bruno Nazário e abriu o placar para o Botafogo. O Paraná empatou com Thales, aos 11 minutos, pegando a sobra de um bate e rebate dentro da área. No último minuto, o Fogão ficou com a vitória com Danilo Barcelos cobrando pênalti.

Juventude nos pênaltis

América de Natal e Juventude repetiram o empate por 1 a 1 no jogo de ida e precisaram decidir a vaga nos pênaltis. Durante o tempo normal, os gaúchos abriram o placar com Odivan, pegando rebote de uma cabeçada de Wellington, no travessão. O América empatou, com Zé Eduardo aproveitando um corte da defesa adversária para estufar as redes, e teve as melhores chances do restante da partida, embora o Juventude tenha acertado o travessão. Da marca do pênalti, apenas Renan Luis errou e como errou: tentou bater forte no meio, Luis Carlos não se mexeu e espalmou. Na sequência, Samuel classificou o Juventude.

.

.