Movimentação e qualidade do passe foram trunfos do Arsenal

Primeiro tempo arrasador dos Gunners garantiu a vitória por 2 a 0 sobre o Napoli, e Wenger encontrou o padrão de qualidade que deve buscar repetir nos próximos jogos

O ótimo momento vivido pelo Arsenal na Premier League mais uma vez se estendeu para a Liga dos Campeões. Com a segunda vitória em dois jogos disputados no grupo da morte da competição europeia, os Gunners terminam a rodada na liderança isolada da chave mais disputada desta Champions, mas este não é o único motivo para comemorações por parte dos torcedores ingleses. Além do bom resultado contra o Napoli, que havia vencido o vice-campeão Borussia Dortmund na rodada de estreia, o ótimo desempenho individual de algumas peças e, especialmente, a fantástica performance coletiva no primeiro tempo serviram paradar mais esperanças à torcida londrina de que esta temporada pode ser especial.

Quando o relógio do Estádio Emirates apontava 20 minutos de bola rolando, o que se via em campo era um Napoli completamente dominado pelo Arsenal, que já havia finalizado três vezes a gol, contra nenhuma dos italianos. Além disso, o trio de meio-campistas formado por Mathieu Flamini, Mikel Arteta e Aaron Ramsey dava consistência defensiva ao time, que tinha, no momento, 100% de acerto nos desarmes. O galês, inclusive, fez mais uma grande partida. Apesar de não ter prolongado a sequência de gols marcados, o meia foi o responsável pela jogada, pela direita, que acabou no belo gol de Özil.

O lado direito foi, inclusive, o principal caminho até o gol usado pelos Gunners. Juan Zúñiga não conseguia dar conta da intensa movimentação do setor ofensivo do Arsenal, que revezava, naquele flanco, Ramsey, Özil e até mesmo Giroud, nas vezes em que o francês saía da área.

Essa intensidade na movimentação e a qualidade dos passes apresentadas na primeira etapa são os fatores aos quais Arsène Wenger mais deve se ater. Para chegar ao objetivo de sair da fila e voltar a conquistar um título, o padrão de qualidade a se buscar deve ser o apresentado no primeiro tempo. Na segunda etapa, houve uma natural queda de ritmo do Arsenal, e o Napoli começou a sair mais para o ataque, criando chances, mas finalizando na maior parte das vezes para fora e nunca chegando a ameaçar a vitória inglesa.

Destaque do jogo

Mesut Özil – Escalado inicialmente pela esquerda, o alemão caiu para a direita logo no começo do jogo e lá foi onde levou mais perigo à defesa do Napoli. Além disso, movimentou-se muito bem entre uma posição mais central e o flanco direito, deu bela assistência e marcou um gol ainda mais bonito.

Momento-chave

Os 20 primeiros minutos do Arsenal na partida foram fundamentais para a definição da vitória. Os dois gols do jogo foram marcados até os 15 minutos do primeiro tempo, e o volume de jogo e a qualidade de passe dos Gunners neste período foram impressionantes. Perdido em campo, o Napoli apenas via os ingleses jogarem.

Os gols

8’/1T – Gol do Arsenal. Ramsey avança pela direita, passa para a entrada da área, e Özil finaliza com perfeição para abrir o placar para os Gunners e fazer seu primeiro gol pelo clube inglês.

15’/1T – Gol do Arsenal. Após abrir o placar, Özil faz boa jogada pela direita e cruza rasteiro para Giroud empurrar para o gol, fazendo 2 a 0 para o time londrino.

Curiosidade

De agosto de 2010 para cá, Mesut Özil é o jogador que mais deu assistências na Liga dos Campeões, com 17 ao todo.

Formação inicial:

Arsenal Napoli Campinho

 

Ficha técnica:

ARSENAL 2 x 0 NAPOLI

Arsenal_escudo Arsenal
Wojciech Szczesny, Bacary Sagna, Per Mertesacker, Laurent Koscielny, Kieran Gibbs, Mathieu Flamini, Mikel Arteta, Aaron Ramsey (Nacho Monreal, 43’/2T), Tomas Rosicky (Jack Wilshere, 18’/2T), Mesut Özil, Olivier Giroud
Técnico: Arsène Wenger
Napoli
Pepe Reina, Giandomenico Mesto, Raúl Albiol (Federico Fernández, 38’/2T), Miguel Britos, Juan Zúñiga, Valon Behrami, Gökhan Inler, Marek Hamsik, José Callejón (Duván Zapata, 31’/2T), Lorenzo Insigne, Goran Pandev (Dries Mertens, 15’/2T)
Técnico: Rafael Benítez
Local: Estádio Emirates
Árbitro: Milorad Mazic (SÉR)
Gols: Özil (8’/1T) e Giroud (15’/1T)
Cartões amarelos: nenhum
Cartões vermelhos: nenhum