José Mourinho está há três meses desempregado. Tem feito alguns bicos comentando jogos e recarregando as energias para o seu próximo trabalho. Embora as coisas não tenham terminado bem no Manchester United, o português afirmou à beIn Sports que ainda está acesa em si a chama do treinador de futebol e que sabe exatamente o que quer do seu próximo clube. E espera conseguir.

LEIA MAIS: Para Mourinho, Mbappé o jogador mais valioso do mundo no momento

“A posição de treinador é especial e eu gosto do trabalho diário. Quero retornar, a partir de junho, do começo da temporada. Eu sei exatamente o que não quero, e por isso recusei três ou quatro propostas. Eu também sei o que quero. Não me refiro ao nome do clube, mas o tipo de trabalho, o estilo do clube. Eu sei o que quero e espero conseguir”, afirmou.

Mourinho disse que está usando esses últimos meses para “reiniciar”. E que, embora seja cansativo o cotidiano de entrevistas coletivas, jogos, sessões de vídeos, análise de partidas e problemas do dia a dia, ainda não pensa em trocar tudo isso por um cargo como treinador de seleções – a de Portugal, provavelmente.

“Ser selecionador é um posto de trabalho muito específico. Gosto do trabalho diário, do trabalho do dia a dia, jogar muitas competições. Gosto dos jogos e quero estar em um clube de futebol. Mas, quem sabe”, disse.

Um dos destinos mais relacionados a Mourinho é a Internazionale, pela qual o português conquiestou a Tríplice Coroa e que, no momento, não anda muito bem sob o comando de Luciano Spalletti.

“A Inter não vencia a Champions League em quase 50 anos. Havia uma geração inteira de torcedores que tinham esse sonho. Ao mesmo tempo, o presidente (Massimo Moratti) era o filho do último presidente que havia ganhado a Copa. Então, era o sonho da família Moratti também. Havia uma geração de jogadores que haviam vencido vários títulos na Itália e sonhavam com a Champions League. Era um time muito forte, mas também uma família de verdade. Tínhamos esse sonho e lutamos para que ele se concretizasse. No fim do dia, a Tríplice Coroa era o que aquela família merecia. Foi fantástico”, encerrou.