A vitória do Manchester United sobre o Leicester neste domingo foi categórica. Um 3 a 0 sem contestação. Os Red Devils diminuíram a diferença para o Liverpool, rival, para só um ponto. Um é sexto, outro é quinto colocado. São 15 jogos de invencibilidade no Campeonato Inglês. Uma campanha de recuperação e com a boa fase o técnico se sente confortável para cobrar reconhecimento do seu trabalho. E isso ironizando os elogios a Conte e ao líder Chelsea.

LEIA TAMBÉM: Manchester United aumenta problema para Ranieri: 3 a 0 no Leicester

“Meu time está jogando muito bem, mas por muito, muitos anos na minha carreira, especialmente neste país, quando meus times eram implacáveis e quando eles eram fenomenais defensivamente e muito bons no contra-ataque, eu ouvia semana após semana que não era o bastante, apesar de ganhar o título três vezes”, reclamou o treinador português, fazendo referência aos seus três títulos pelo Chelsea.

“Parece que nesta temporada, ser fenomenal defensivamente e bom no contra-ataque é arte, então é uma grande mudança na Inglaterra”, ironizou o treinador. “Eu não quero mudar o perfil do nosso jogo. Este é o jeito que queremos jogar. Eu não quero ser o técnico de um time que joga muito bem, cria chances e não vence jogos. Nós precisamos marcar gols e hoje [domingo] fizemos isso”.

Para terminar, o técnico ainda mostrou humor ao comentar sobre a última vez que esteve no King Power Stadium. Pelo Chelsea, em dezembro, ele foi derrotado pelo Leicester. “Na última vez que me sentei nesta cadeira, no dia seguinte eu fui demitido”, brincou o técnico.

Os times de Mourinho muitas vezes são estigmatizados como times de defesa forte e contra-ataque. De fato, ele armou muitos times defensivamente excelentes e que eram letais quando iam para o ataque em velocidade. Claro que isso é reduzir times que foram muito fortes a um conceito simplificado, mas Mourinho, no fim, quer colocar o holofote em si mesmo para dizer que se ele faz o que Conte está fazendo, seria criticado. Uma forma de dizer que há um julgamento diferente com ele.

O que dá para dizer é que o Manchester United de Mourinho é mais do que defesa forte e contra-ataque. Só falta a consistência que seus outros times campeões tinham. Precisará – e muito.