O Benfica recebeu o Porto, no Estádio da Luz, em jogo que poderia mudar completamente a configuração da tabela. Líderes com três pontos de vantagens, os Encarnados conseguiram se aproximar mais do título, mantendo a vantagem com o empate em 0 a 0. O placar, no entanto, reflete exatamente o contrário do que foi o jogo. Elétrico, repleto de elementos especiais e muito pegado, o clássico foi digno de uma decisão de campeonato.

VEJA TAMBÉM: O clássico sérvio teve show da torcida, mas também pancadaria e atraso

O primeiro desses elementos foi a bela festa protagonizada pela torcida do Benfica antes do apito inicial. Um mosaico tomou toda a arquibancada do enorme Estádio da Luz, com o pedido de vitória e a lembrança de que todos estavam “juntos” na briga. A torcida dos Encarnados tem muita vocação para dar espetáculo, como o mosaico em homenagem a Eusébio no início do ano já havia provado.

CDiP2zdUEAE3qL8

Em campo, o que se viu foram duas equipes aguerridas, buscando o gol constantemente e, embora sem grandes chances de gol, protagonizando um duelo que entreteu quem decidiu acompanhar a final antecipada do Portuguesão. Quem saiu com o maior lucro, é claro, foram os benfiquistas, que, além de manterem três pontos de vantagem a quatro rodadas do fim da competição, ainda ganharam a frente no primeiro critério de desempate: o confronto direto. No primeiro turno, o Benfica já havia batido o Porto por 2 a 0 no Estádio do Dragão.

Depois de um duelo tenso como esse, os ânimos ainda estavam elevados após o apito final. Maior prova disso foi o entrevero entre os treinadores. Jorge Jesus, do Benfica, e Julen Lopeteguei, do Porto, encontraram-se no gramado para se cumprimentarem e, após um abraço cordial, trocaram algumas provocações ao pé do ouvido e quase partiram para a agressão física. A turma do deixa-disso teve de entrar em ação para evitar a sequência de cenas lamentáveis que certamente se seguiriam.

O Porto chegou muito perto de colocar fogo de vez em uma briga por título que, em boa parte da temporada, parecia já liquidada. A distância entre os dois chegou a ser de sete pontos, hoje é de apenas três, e mesmo que tenha ficado difícil após o desperdício dessa chance de ouro, os Dragões deverão lutar até o fim. O mosaico dos benfiquistas dizia que eles estavam juntos dos jogadores, mas a festa na recepção do elenco portista após a goleada sofrida para o Bayern, pela Champions League, foi a prova de que, entre eles, a história não é diferente.

Coreografia da torcida do Benfica:

Briga entre Jorge Jesus e Julen Lopetegui