O ex-jogador Jack Charlton morreu nesta sexta, 10, em Northumberland, no norte da Escócia. Ele tinha 85 anos e estava cercado pela família. Ele é o irmão mais velho de Bobby Charlton e ambos foram titulares na conquista da Copa do Mundo de 1966. Foi jogador do Leeds United por toda a sua carreira profissional, de 1952 a 1973. Também esteve com a seleção inglesa de 1965 a 1970.

Menos talentoso e badalado que o irmão, Bobby, Jack era um jogador muito dedicado. Ele fez parte também do período mais vitorioso da história do Leeds United, nos anos 1960 e 1970. Individualmente, foi eleito o melhor jogador do ano da associação dos jornalistas de futebol em 1967.

Jack Charlton é o recordista de jogos pelo Leeds, com 773 partidas no seu período de 23 anos pelo clube. Foi revelado pelos Whites e também se aposentou no clube. Chegou em 1950, aos 15 anos, e estreou em 25 de abril de 1953 em um empate por 1 a 1 com o Doncaster Robvers, no estádio Elland Road. Por isso, se tornou um dos mais bem-sucedidos zagueiros da história do futebol inglês. Primeiro, ajudou o clube a subir duas vezes para a primeira divisão, em 1955/56, depois em 1963/64.

Só foi convocado pela seleção inglesa em 1965, um ano antes da Copa do Mundo, e aos 30 anos. Foi titular em toda a campanha da Copa do Mundo de 1966 e permaneceu na seleção até 1970. Foi para a Copa do Mundo no México, mas foi reserva. Só jogou na partida contra a Tchecoslováquia, na fase de grupos, completando o seu 35º jogo pela seleção.

Bobby Charlton e Jack Charlton com a camisa da seleção da Inglaterra (Reprodução)

Um episódio curioso é o da sua aposentadoria da seleção. Ele já era reserva no time comandado por Alf Ramsey e, depois da eliminação diante da Alemanha nas quartas de final daquela Copa de 1970, Charlton estava tomando coragem para pedir para não ser mais convocado.

Na viagem de volta, ele foi até o técnico, sentou ao seu lado e disse: “Grandes momentos… Um incrível privilégio… Ficando mais velho… Ficando mais lento… Não sei se estou à altura mais… É hora de se aposentar”, segundo relata o Guardian. Ramsey ouviu pacientemente, olhou para Jack e disse: “Sim, eu cheguei a essa conclusão por mim mesmo”. Jack esperava palavras de agradecimento do técnico pelo seu trabalho, mas isso foi tudo que o técnico afirmou. Jack se sentou então, desconsolado na sua poltrona.

Conquistou a Copa da Liga pelo Leeds em 1968, a Copa das Feiras em 1968 e 1971, além do título inglês na temporada 1968/69. Também conquistou o título da Community Shield, a Supercopa da Inglaterra, em 1969, além da Copa da Inglaterra em 1972. Jogou profissionalmente até a temporada 1972/73, aos 38 anos. Além dos 773 jogos, fez 96 gols, o que o torna o nono maior artilheiro da história do clube, mesmo sendo zagueiro.

Jack Charlton com a camisa do Leeds (|Reprodução)

Depois de pendurar as chuteiras, Jack se tornou técnico. Começou a carreira pelo Middlesbrough, em 1973, e liderou o time à primeira divisão em 1974. Em 1980, conduziu o Sheffield Wednesday à segunda divisão. Também passou pelo Newcastle na temporada 1984/85.

O seu trabalho mais lembrado, porém, é o de técnico da seleção da Irlanda. Assumiu em 1986, Conseguiu levar o time à Eurocopa de 1988, primeira competição importante da seleção do país. Também conseguiu classificar a Irlanda às Copas do Mundo de 1990 e 1994. Em 1990, o time chegou às quartas de final da Copa e foi eliminada pela Itália. Quatro anos depois, em 1994, os irlandeses derrotaram os italianos na fase de grupos. Ele trabalhou até as eliminatórias para a Eurocopa de 1996, quando a Irlanda perdeu na repescagem. Aos 60 anos, decidiu se aposentar.

A sua autobiografia publicada em 1996 conta que seu relacionamento com Bobby ficou conturbado depois que o irmão se casou com Norma, que não se dava bem com a mãe dos dois. Os dois irmãos só se reconciliaram em 2008, em um programa da BBC, quando Jack entregou a Bobby o prêmio de “Personalidade esportiva da BBC no ano pelas conquistas da vida”, no dia 14 de dezembro de 2008.

“Jack morreu pacificamente na sexta-feira, 10, na idade de 85 anos”, afirmou a sua família em uma nota divulgada. “Ele estava em casa, em Northumberland, com sua família ao seu lado. Assim como amigo de muitos, ele foi um adorado marido, pai, avô e bisavô. Nós não podemos expressar o quanto estamos orgulhosos da vida extraordinária que ele levou e o prazer que ele levou a tantas pessoas em países diferentes e de todas as esferas da vida”.

“Ele era um homem completamente honesto, gentil, engraçado e genuíno, que sempre tinha tempo para as pessoas. Sua perda deixará um enorme buraco em todas as nossas vidas, mas somos gratos por uma vida inteira de lembranças felizes”, diz ainda a nota da família.