A demissão de Leonardo Jardim era discutível, mas plenamente compreensível. O treinador, que fez milagre à frente do Monaco nas últimas temporadas, desta vez não conseguia tirar o time da zona de rebaixamento. O desgaste era natural, apesar da boa relação com a diretoria. Os alvirrubros venderam muitos jogadores, perderam outros tantos por lesão e a equipe parecia rodar em círculos. Assim, os monegascos preferiram apostar no “fato novo” e contratar Thierry Henry. Uma injeção de ânimo que funcionou às avessas no Louis II. O antigo ídolo não se mostrou preparado ao cargo, suas ideias não eram assimiladas pelos seus comandados e, sem confiança, o time começou a acumular resultados piores. Não dava qualquer sinal de melhora. A decisão de Henry ao afastar parte de seus jogadores foi a gota d’água. Três meses após sua chegada, o velho craque foi “suspenso”, eufemismo à sua demissão iminente. E quem será seu substituto? Justamente Leonardo Jardim, oficializado nesta sexta.

Ok, Leonardo Jardim conhece o ambiente interno e os três meses serviram para a diretoria do Monaco perceber que não tomou a decisão correta ao demiti-lo. De qualquer maneira, a posição de voltar atrás só demonstra a falta de rumo do clube. Uma atitude que soa um tanto quanto amadora e enfatiza como o interesse, neste momento, é evitar o desastre do rebaixamento a qualquer custo. O impacto financeiro seria incalculável e, assim, o caminho seria confiar naquele que melhor domina o elenco. Um “fato novo” com cara de velho, apenas ao reaproximar os jogadores do competente comandante.

A queda de desempenho do Monaco nesta temporada tem várias circunstâncias, algumas que fogem da alçada dos treinadores. O excesso de lesões, por exemplo, foi muito custoso aos alvirrubros. No entanto, até pela qualidade geral de seu plantel em comparação aos oponentes na Ligue 1, a obrigação era estar ao menos algumas posições acima da tabela. O processo incessante de compra e venda, que mantém os mecanismos do clube funcionando, desta vez não foi bem sucedido. A eclosão dos novos talentos não acompanhou a dilapidação do time. A tentativa agora é adicionar reforços, com menção especial aos veteranos Cesc Fàbregas e Naldo, para tentar correr atrás do prejuízo – que não é muito grande, considerando os três pontos para sair do Z-3. Problema maior é estabelecer uma sequência numa equipe de muitos erros e pouca concentração.

Homem forte do futebol do Monaco, o vice-presidente Vadim Vasilyev adotou até mesmo um tom de autocrítica no anúncio de Jardim: “Nosso clube está atravessando um período muito complicado. Estou pronto para dizer que eu assumo toda a responsabilidade por isso. Vendemos muitos jogadores importantes e, apesar do retorno considerável, cometemos erros na reposição. Agora, prestamos mais atenção no mercado e trabalhamos intensamente para fortalecer o time. O mercado ainda não está encerrado e não descartamos novas contratações”.

Além disso, o russo fez suas ponderações sobre as demissões de Jardim e Henry: “A decisão de demitir Leonardo Jardim foi prematura. Percebemos que a história dele no clube não acabou. Damos a chance a Leonardo de continuar seu trabalho. Thierry Henry é uma lenda, mas as circunstâncias desfavoráveis e as muitas lesões não o permitiram tirar nosso time da crise rapidamente. Gostaria de agradecê-lo por aceitar o desafio. Provavelmente ele precisaria de mais tempo para implementar o que gostaria. Infelizmente, não temos esse tempo e precisamos agir imediatamente. Estamos convencidos que não é tarde para mudar a situação e acreditamos que nossos jogadores irão se mobilizar para superar a crise ao lado de Jardim”.

Henry, por sua vez, publicou uma carta de despedida diante do anúncio oficial sobre sua saída: “É com grande tristeza que eu deixo o Monaco. Apesar das dificuldades que enfrentamos, tive grande prazer em assumir a responsabilidade neste grupo maravilhoso. Desde o início, minha filosofia e minha ambição sempre me levaram a colocar o clube acima de tudo. Acredito fortemente nestes jogadores e, com os últimos reforços, a equipe está pronta para encarar o segundo turno. Sinceramente espero que meu sucessor tire o time desta situação”. É ver como esta novela mexicana se encerrará no principado.