MLS

Mais uma promessa sul-americana jogará na MLS: Moreno, revelação do América de Cali, assina com o Portland Timbers

Destaque do América de Cali desde 2020, o ponta de 21 anos assinou com o Timbers por quatro temporadas

A Major League Soccer definitivamente se tornou um destino a jovens talentos surgidos no futebol da América do Sul. A qualidade de vida e os salários se tornam atrativos para que promessas se mudem aos Estados Unidos, em vez de elevarem seu potencial em seus países ou de buscarem alguma oportunidade no futebol europeu. A lista de prodígios sul-americanos na MLS se torna cada vez mais vasta e contará agora com Santiago Moreno. O ponta de 21 anos brilhou pelo América de Cali nos últimos meses, inclusive com boas aparições na Copa Libertadores. Nesta quinta, foi anunciado como novo reforço do Portland Timbers.

Moreno não tinha bola ainda para pintar numa grande equipe da Europa, mas dava sinais de que poderia progredir no América de Cali ou mesmo se tornar alternativa para clubes de centros maiores na América do Sul. Antes disso, o ponta acabou pinçado pelo Portland Timbers. Habilidoso e participativo na definição das jogadas, o jovem foi um dos protagonistas dos escarlatas desde 2020, quando o clube voltou a enfileirar títulos na elite do futebol colombiano.

Moreno vinha de ótimas atuações no Campeonato Colombiano, contribuindo à conquista da liga em 2020, com direito a gol na decisão contra o Independiente Santa Fe. Além disso, também teve seus lampejos na Libertadores. Apesar da pouca idade, Moreno não encontrou problemas para chamar a responsabilidade e liderar os Diabos Vermelhos em algumas partidas. O camisa 10 marcou gols contra Internacional e Atlético Mineiro nas duas últimas edições do torneio, além de ter encarado o Athletico Paranaense na Copa Sul-Americana.

O Timbers acertou a contratação de Moreno para as próximas quatro temporadas, em negócio cujo valor não foi revelado. A equipe faz campanha morna na atual edição da MLS e aparece fora da zona de classificação na Conferência Oeste. O colombiano, de qualquer maneira, parece um acréscimo importante para melhorar as perspectivas e tomar a posição entre os titulares. Por lá, será treinado por Giovanni Savarese, venezuelano que desde 2017 dirige o time de Portland. Além disso, a presença de 12 sul-americanos no elenco certamente ajudará em sua adaptação. Os irmãos Diego e Yimmi Chará lideram a legião colombiana, enquanto o capitão é o rodado argentino Diego Valeri.

Savarese, inclusive, comemorou o negócio feito pelo Timbers: “Muitos clubes se interessaram em Santiago Moreno, então o fato de que ele escolheu vir para Portland faz nos sentirmos muito especiais. Estamos entusiasmados por ter um jogador talentoso vindo para cá, que nos dará muitos recursos, mas segue com espaço para se desenvolver. Acredito que Portland é um lugar muito bom para ele continuar a crescer”. Moreno pode ser aproveitado nas duas pontas ou também como armador centralizado.

É interessante notar como a MLS virou um destino comum a jovens promessas da América do Sul. Se antes o México costumava aproveitar o mercado mais ao sul e contratar jovens talentos, inclusive muitos colombianos, agora os Estados Unidos se firma como um caminho atrativo. É a chance de desenvolver o próprio futebol, viver num país com boa qualidade e buscar melhores condições salariais. E embora haja o risco de estagnação, considerando o nível competitivo menor da MLS em relação à Europa ou mesmo a outras ligas sul-americanas, os destaques dos clubes estadunidenses ganham sua vitrine. O melhor exemplo é o de Miguel Almirón, que arrebentou no Atlanta United antes de virar protagonista no Newcastle.

Atualmente, 146 jogadores da América do Sul atuam na MLS. A Colômbia é o terceiro país mais representado entre os estrangeiros da liga, com 21 atletas – atrás apenas de Brasil e Argentina. Destes, cinco possuem 23 anos ou menos. A lista de jovens destaques sul-americanos da MLS ainda inclui os brasileiros Brenner e Talles Magno; os argentinos Ezequiel Barco e Santiago Sosa; e os uruguaios Diego Rossi e Brian Rodríguez. Vale dizer que, nesta temporada, a MLS facilitou os mecanismos para a chegada de jogadores sub-22. Através das novas regras, os garotos podem assinar contratos mais vantajosos que não entram nas limitações dos tetos salariais dos elencos. Até três jogadores por equipe podem ser enquadrados nesse orçamento reduzido, sem distinção entre locais e estrangeiros, em benefícios que se estendem até os 25 anos.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo