Este texto foi inicialmente enviado na Newsletter da Trivela, na última sexta-feira. Assine agora e não perca nenhuma edição, toda sexta no seu e-mail!

Basta alguém falar sobre nazismo e tentar relacionar com futebol e o assunto surge: “Sabia que o Hitler torcia para o Schalke 04?”. Uma história que é repetida como verdade, embora haja pouco que de fato sustente isso. É com esta história que abrimos nossa nova série: Mitos do Futebol, que vai desvendar algo que é passado como verdade, mas não é bem assim.

LEIA TAMBÉM: O craque alemão que teve coragem de renegar Hitler em sua única visita a um jogo de futebol

A história é sempre a mesma: o time de Gelsenkirchen era o mais vencedor da época. Usam, então, uma lógica Tostines: o time que mais vencia era o que mais apoiava o nazismo, afinal, se apoiava o nazismo, só podia ser o maior vencedor. O clube tem sete títulos na sua história, sendo que seis deles na época do nazismo: 1934, 1935, 1939, 1940 e 1942. Depois, ainda conquistaria o título em 1958 – sua última taça da liga alemã.

Para começar do básico, Hitler nasceu em Braunau am Inn, no então Império Austro-Húngaro – e atualmente, parte da Áustria. Não há nada na sua biografia que o ligue a futebol, exceto a sua presença em uma partida dos jogos Olímpicos de 1936 (que o próprio Schalke comentou, mais abaixo).

Hitler cresceu em Viena, principal cidade da Áustria, e também em Munique, sul da Alemamha, no início da sua vida adulta. A primeira fica a mais de 900 quilômetros de Gelsenkirchen, cidade do Schalke 04, enquanto a segunda fica a mais de 600 quilômetros. Ou seja: não há nenhuma ligação geográfica.

No livro “Gol da Alemanha”, na Editora Grande Área (do qual falamos aqui), há uma referência sobre como era medido o nível de proximidade dos clubes com o regime nazista. Segundo o relato, aqueles que fossem mais próximos aos nazistas tinham seus jogadores colocados na retaguarda, correndo menos riscos. Os demais eram enviados à linha de frente das tropas, onde havia uma grande chance de serem mortos. Os torcedores do Schalke usam esta teoria para afirmar que o clube não era próximo aos nazistas. Há outros relatos, porém, que Werder Bremen, Stuttgart, Schalke e Munique 1860 eram próximos do regime nazista. Nenhum deles, porém, contou com a ilustre presença do Führer nos seus jogos, mesmo que fossem em Berlim.

Em 2008, o jornal britânico The Times fez uma matéria como curiosidade: “Os 50 piores famosos torcedores de futebol”. A lista tinha diversas personagens – alguns poderiam ser descritos como vilões – e um deles era Adolf Hitler. O texto dizia que ele era torcedor do Schalke 04. Seis anos depois (sim, tudo isso), o clube, através do seu setor de relações públicas, tratou de responder e esclarecer – até com ironia.

“Na verdade, descobrimos que ele deve ter sido um torcedor de sofá, porque ele nunca foi a nenhum de nossos jogos, mesmo se fosse uma final de campeonato ao lado da sua porta, no Estádio Olímpico em Berlim. Talvez ele estivesse muito ocupado com as suas políticas genocidas ou… Talvez ele não fosse um torcedor de futebol, afinal”, diz a carta.

Aliás, mais do que a associação com Hitler, o Schalke se incomoda muito com a associação do seu sucesso em campo nesta época a um suposto apoio ao nazismo. Um fato que, mais uma vez, os Azuis Reais fizeram questão de desmentir.

“Ao menos isto foi o que um estudo científico comissionado pelo clube revelou em 2004. Os autores analisaram a teoria que o fato do Schalke ter ganhado seis campeonatos nacionais durante o Terceiro Reich foi pelo apoio especial dos nazistas. O resultado foi muito claro: a teoria é uma besteira total. No máximo, os nazistas tentaram aproveitar a grande popularidade do time que estava entre os melhores do país desde 1927”, diz ainda a carta.

“Hitler nunca fez isso por duas razões. Primeiro, o físico dos jogadores com suas pernas tortas e arqueadas não eram exatamente a ideia de uma raça alemã superior. Segundo, ele foi a uma partida de futebol uma vez durante os Jogos Olímpicos de 1936, mas a Alemanha perdeu por 2 a 0 para a Noruega. Droga!”

Para concluir, Ged Voss, o chefe de Relações Públicas do Schalke, ainda terminou com uma ironia. “Concluir que Hitler era um torcedor do Schalke 04 porque eles ganharam a maioria dos títulos durante o seu regime deve fazer Margaret Thatcher uma torcedora do Liverpool. Curiosamente, ela não faz parte da lista”.

Se Hitler gostasse de futebol – e tudo indica que ele não dava a mínima -, ele poderia ter apoiado o Nürnberg. Afinal, usou o estádio do clube para vários discursos durante o período nazista – a ponto até do estádio ser conhecido como Hitler-jugend Stadion, algo como “Estádio da juventude de Hitler”. Claro que isso não durou muito. Atualmente, o local é chamado só pelo seu nome mesmo, Stadion Nürnberg. Porém, a única relação de Hitler com o clube da Baviera foi mesmo usar os estádios para discursos. Nada de ver futebol.

Pois é. Não há nenhum fato que suporte a ideia que Hitler era torcedor do Schalke 04, como se vê. Mas no futebol, como na vida, os mitos são alimentados por um telefone sem fio. “Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”. A frase é de Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Hitler no regime nazista. Não poderia ser mais apropriada.