Não é segredo algum e muito menos novidade que o futebol italiano tem um grave problema de racismo. A impressão neste princípio de temporada, no entanto, é de que a coisa está piorando – ou que ao menos estamos nos incomodando mais com isso, o que seria ótimo. Por isso, o Milan decidiu criar uma “força-tarefa interna” para combater o racismo no futebol do país.

O projeto terá seu pontapé inicial neste sábado (21), no Derby della Madonnina entre Milan e Internazionale, e os rossoneri contam com o apoio de seu rival para começar sua empreitada atraindo bastante atenção. A partida será apresentada como o “Dérbi Contra o Racismo”, com atletas dos dois times posando lado a lado para fotos antes do duelo.

Segundo comunicado do Milan, a força-tarefa terá uma série de atividades de conscientização, monitoramento e ação contra comportamentos racistas nos estádios e nas redes sociais. Terá como objetivo, de acordo com o clube, servir também de inspiração de boas práticas contra a discriminação racial no futebol.

A ideia estaria sendo planejada há “vários meses”, diz o clube, mas teria sido acelerada diante da repetição dos incidentes de racismo semana após semana, desde o último mês.

CEO do Milan, Ivan Gazidis chamou a ação de “passo significativo”, uma maneira de demonstrar proatividade nos esforços do clube para combater o racismo no futebol. “Esses valores transcendem rivalidades de futebol, e estamos encantados em ter o apoio da Inter para essa iniciativa”.

“O futebol italiano precisa acordar e tomar uma posição forte contra comportamentos racistas. O Milan tomará a liderança nesse assunto, promovendo valores humanos básicos que são relevantes para todos nós. O futebol oferece um exemplo poderoso da força da união e do trabalho em equipe. Diversidade, inclusão e tolerância fortalecem o time, o clube e a sociedade como um todo. Acreditamos que temos uma obrigação moral de fazer todo o possível para encararmos esse problema”, disse Gazidis ao site do Milan.

Recentemente, Franck Kessié, do Milan, e Romelu Lukaku, da Inter, foram vítimas de ofensas racistas das torcidas de Verona e Cagliari, respectivamente, jogando como visitantes. Em ambos os casos, as diretorias dos clubes com torcidas racistas relativizaram o comportamento. Isso torna ainda mais oportuna a ação dos rossoneri.

Ainda assim, palavras fortes e o compromisso de uma força-tarefa precisarão ser acompanhados de ações efetivas e constantes. Algo que não costumamos ver muito no futebol italiano.