Marcelo é um dos jogadores mais emblemáticos do Real Madrid. O lateral esquerdo brasileiro terminará a sua 13ª temporada pelo clube merengue em 2019/20, é o vice-capitão do time e homem de confiança do técnico Zinedine Zidane. Isso tudo ficou por um fio pouco antes da sua contratação, quando o técnico do Real Madrid, Fabio Capello, quis que o então diretor de futebol, Pedrag Mijatovic, que desistisse da contratação do então jovem jogador. O ano era 2007 e o ex-jogador que comandava o futebol do time de Madri foi contra o técnico e contratou o lateral mesmo assim.

Em 2007, quando Marcelo foi contratado, Roberto Carlos era titular e ídolo do Real Madrid. O seu melhor já tinha passado e era preciso encontrar um reserva que pudesse eventualmente substituir o lendário brasileiro. Foi então que buscaram Marcelo, então no Fluminense. O jovem era visto como um jogador de grande potencial.

Marcelo acabaria contratado em janeiro de 2007, o que lhe deu seis meses para trabalhar junto com Roberto Carlos, que deixaria o clube em julho daquele ano para juntar-se ao Fenerbahçe. Capello, porém, não estava convencido de que Marcelo era o nome certo. Mijatovic, porém, acredita que o jogador seria importante e insistiu na contratação.

“No meu primeiro ano no Real Madrid, Roberto Carlos era o lateral esquerdo, o melhor da história do futebol na minha opinião, mas eu sabia que precisava contratar um jovem que fosse capaz de substituí-lo”, afirmou Mijatovic m entrevista ao ISMAS.

“Conhecendo Roberto como eu conhecia, como companheiro, e sabendo que o seu contrato estava prestes a acabar e estava claro que seu desempenho não era como costumava ser, nós sabíamos que precisávamos substituí-lo”, continuou o montenegrino. “Marcelo tinha 18 anos e era um total desconhecido e Capello queria desistir dele, mas eu me recusei porque eu queria que ele treinasse com Roberto Carlos”.

Marcelo podia ser um desconhecido para os europeus, porque nós sabíamos bem que Marcelo já mostrava grande potencial nos seus tempos de Fluminense. Mijatovic viu o potencial e insistiu para levá-lo a Madri já em janeiro para que ele tivesse esse período de adaptação ainda com Roberto Carlos como titular absoluto. “Como jogador, treinar com um jogador fora de série como Roberto Carlos, ver como ele vive, receber conselhos dele, isso é muito mais valioso que 10 ou 15 jogos emprestado”, afirmou o então diretor esportivo.

Marcelo foi contratado, treinou com Roberto Carlos e Fabio Capello deixou o clube ao final daquela temporada 2006/07. Marcelo ficou e se tornou um titular mais constante já a partir da temporada seguinte, 2007/08.

Aos 32 anos, Marcelo tem 507 jogos pelo Real Madrid, apenas 17 a menos que Roberto Carlos – uma marca que poderá facilmente ser batida se continuar no Real Madrid na próxima temporada. Com o Real Madrid, Marcelo conquistou quatro títulos do Campeonato Espanhol, duas Copas do Rei, quatro Champions League e quatro Mundiais de Clubes. Uma lenda do Real Madrid que, por pouco, não foi descartado por um técnico que não ficaria mais que seis meses no clube.