O Liverpool passou longos anos convivendo com a incerteza em sua meta. Do auge de Pepe Reina à afirmação de Alisson, os Reds sofreram com as oscilações de seus arqueiros, em “ápice” atingido pela dupla atrapalhada formada por Loris Karius e Simon Mignolet. Jürgen Klopp gastou um caminhão de dinheiro para solucionar o problema, mas ninguém pode reclamar disso. Alisson viveu uma temporada impecável em seu primeiro ano em Anfield, seja pelas marcas na Premier League ou pelos milagres que possibilitaram o título da Champions. E em um mercado de verão modorrento ao clube, a única questão bem resolvida é mesmo o gol. Mignolet se despediu da torcida e Adrián será o novo reserva ao titular indiscutível.

Ainda que tenha aceitado gradualmente a reserva, Mignolet parece fazer o certo para a continuidade de sua carreira. Aos 31 anos, o veterano acertou a transferência ao Club Brugge. Entre a possibilidade de buscar um clube de menor projeção ou retornar a um grande de seu país, ele tomou uma decisão que realmente se sugere à melhor. Custou €7 milhões e chega com status de grande contratação, para seguir integrando a seleção nacional. Além disso, pode construir uma trajetória vitoriosa em seu país, algo que não aconteceu quando surgiu no St. Truiden. Que não seja um arqueiro de ponta, retorna num nível aceitável para seguir sua história como um importante nome do futebol belga. É razoável.

Adrián, por sua vez, tem experiência na Premier League e alguns momentos de destaque com a camisa do West Ham. Foram seis temporadas em Londres, o que acaba o credenciando como uma adição interessante. Depois de jogar por duas temporadas como titular, perdeu espaço nos últimos anos, o que não necessariamente compromete sua posição como estepe. Aos 32 anos, vem mesmo para auxiliar Alisson nos treinamentos e quebrar um galho vez ou outra. Se o brasileiro não sofrer qualquer problema mais sério, parece mais do que suficiente.

Karius segue vinculado ao Liverpool e seu empréstimo ao Besiktas se encerra em 2020. O mais provável é que realmente deixe o clube quando voltar, diante de tudo o que ocorreu desde a final em Kiev. Também parece o melhor ao alemão. Seu contrato com os Reds acaba em 2021, juntamente com o de Adrián. Quem sabe, para que a diretoria também comece a preparar o futuro. Com o fim do contrato do húngaro Ádám Bogdán, permanecem dois arqueiros no elenco principal, enquanto Klopp pode acionar os garotos da base em eventualidades. Relacionado à final da Champions, o irlandês Caoimhin Kelleher é o terceiro na linha sucessória.

Fato é que, com Alisson, o Liverpool parece ter um goleiro soberano para bons anos. E sem que nenhum ruído do passado incomode a sua titularidade. Concorrência pode ser interessante para manter o alto nível de um arqueiro, mas a garantia que o brasileiro ofereceu em seu primeiro ano parece muito mais importante no momento. O torcedor dos Reds nem quer se preocupar com isso. Há outros detalhes para olhar num mercado em que a diretoria preferiu manter forças, sem trazer acréscimos de peso.