Duas vitórias em dois jogos. A campeã europeia Holanda venceu Nova Zelândia na estreia e, neste segundo jogo, bateu também Camarões. Os jogos não foram nada fáceis, é verdade. A estreia contra a Nova Zelândia só teve gol nos acréscimos para as holandesas. Desta vez, o jogo foi um pouco mais aberto, vitória por 3 a 1 diante de Camarões, mas com as africanas fazendo um jogo equilibrado. Foi preciso mostrar qualidade para vencer. E a centroavante Vivianne Miedema foi o destaque nesse sentido. Fez dois gols e teve uma atuação de artilheira. Marcou os dois de forma como toda boa centroavante deve fazer.

Mar holandês nas arquibancadas

A torcida holandesa marcou presença no estádio em Valencinnes. Grande parte do estádio estava pintado de laranja, com muitos torcedores cantando e vibrando. Um clima no estádio que parecia que as holandesas voltaram a 2017, quando ganharam a Eurocopa em casa.

O clima foi muito bom de ver e certamente fez muita diferença para as holandesas. No segundo tempo, havia uma parede laranja atrás do gol para onde as holandesas atacaram, e criou toda uma cena que fez com que os gols ficassem ainda mais bonitos, com comemorações efusivas e muito barulho.

Mais do que o clima favorável às holandesas, houve também um clima desfavorável às camaronesas, que chegaram a ouvir vaias, como se o jogo fosse mesmo em alguma cidade holandesa. Geograficamente falando, Valenciennes é uma cidade próxima à divisa com a Bélgica, que, por sua vez, é vizinha da Holanda. Portanto, é uma das sedes mais próximas para os torcedores holandeses viajarem.

Onguene, ela é perigosa

A seleção camaronesa não foi um adversário fácil e a atacante Gabrielle Onguene mostrou isso logo depois do primeiro gol da Holanda. Lançamento longo de Raissa Feudjio para Onguene, que aproveitou a indecisão da goleira Sari van Veenendaal para tocar de cabeça, driblando a holandesa, e tocar para o gol vazio com o pé esquerdo: 1 a 1.

As principais jogadas de Camarões vinham com a camisa 7, sempre perigosa pelas pontas e dando trabalho às defensoras. A meio-campista Raissa Feudjio, uma das melhores do jogo por Camarões, distribuindo o jogo no meio-campo. Mostrou visão de jogo e talento e foi a combinação entre ela e Onguene que rendeu mais boas jogadas às camaronesas.

Pontas rápidas

Uma das armas holandesas são suas duas pontas. Do lado direito, Shanice Van de Sanden, a camisa 7 e craque do Lyon, fez muita diferença. Tanto que o primeiro gol saiu dos pés da atacante. Em uma inversão da esquerda para a direita, dominou no peito, tabelou, cruzou e Miedema cabeceou livre já quase na pequena área para abrir o placar: 1 a 0, aos 41 minutos do primeiro tempo.

Do outro lado, Lieke Martens é a grande craque da Holanda. Foi eleita a melhor do mundo pela Fifa em 2017, mas tem sido muito bem marcada. A jogadora do Barcelona não conseguiu ser tão perigosa quanto costuma ser, acabou errando mais do que o normal para o seu próprio padrão. Ela foi muito acionada ao longo da partida, mas o jogo não fluiu tanto pelo seu lado.

Jogada ensaiada

O jogo foi para o intervalo empatado em 1 a 1, mas a Holanda logo conseguiu saltar à frente no placar no início da etapa final de jogo. Eram três minutos quando Danielle van de Donk foi derrubada nas imediações da área. Falta para a Holanda e cobrança ensaiada: em vez de cobrança direta, bola rolada para a ponta, cruzamento para a área, a bola passou por todo mundo e Michaela Abam errou o corte, a bola bateu na canela e sobrou para a zagueira Dominique Bloodworth, que colocou na rede.

Faro artilheiro

Vivianne Miedema já tinha sido titular no primeiro jogo da Copa, contra a Nova Zelândia. A centroavante é jogadora do Arsenal, que foi campeão inglês nesta temporada. Aos 22 anos, ela teve uma temporada mágica no Campeonato Inglês: foram 17 jogos e 20 gols. E ainda teve também a Copa da Inglaterra. No total, foram 25 jogos pelo Arsenal e 29 gols. Sim, é isso: Miedema tem mais gols que jogos na temporada.

Por isso, não é surpreendente que o seu faro artilheiro tenha aparecido nesta partida. Primeiro, no gol do primeiro tempo, após grande jogada de Shanice Van de Sanden. No seu segundo, terceiro da Holanda no jogo, ela recebeu, avançou em velocidade e, com a calma e técnica de uma camisa 9 de categoria, finalizou com tranquilidade ao entrar na área. Garantiu o triunfo por 3 a 1.

Classificação no bolso

Com duas vitórias em dois jogos, a Holanda já está garantida na próxima fase. Na última rodada, Holanda e Canadá farão o duelo de dois times que são os favoritos do grupo. As canadenses também venceram a estreia e ainda jogam neste sábado para tentar também vencer e, assim, já definir a sua classificação.  Se isso acontecer, o último jogo terá a disputa pelo primeiro lugar e pode depender do saldo, primeiro critério de desempate.

Ficha técnica

Holanda 3×1 Camarões

Local: Stade du Hainat, em Valenciennes
Árbitra: Casey Reibelt (Austrália)
Gols: Vivianne Miedema aos 41’/1T, Dominique Bloodworth aos 3’/2T, Vivianne Miedema aos 40’/2T (Holanda); Gabrielle Onguene aos 43’/1T (Camarões)
Cartões amarelos:
Christine Manie, Genevieve Nngo Mbeleck, Raissa Feudjio (Camarões)

Holanda: Sari van Veenedaal; Desiree van Lunteren, Anouk Dekker, Dominique Bloodworth e Kika van Es (Merel van Dongen); Jackie Groenen, Danielle van de Donk (Jill Roord)e Sherida Spitse; Shanice van de Sanden (Lineth Beerensteyn), Vivianne Miedema, Lieke Martens. Técnica: Sarina Wiegman

Camarões: Annette Flore Ngo Ndom; Claudine Meffometou, Christine Manie, Estelle Johnson e Yvone Leuko; Genevieve Ngo Mbeleck (Charlene Menene), Raissa Feudjo e Jeannete Yango; Michaela Abam (Njoya Ajara Nchout), Gaelle Enganamouit (Henrietta Akaba) e Gabrielle Onguene. Técnico: Alain Djeumfa