O México conseguiu um resultado gigantesco na sua estreia na Copa do Mundo na Rússia. Jogando diante de mais de 78 mil pessoas no estádio Luzhniki, com torcedores fazendo do principal estádio da Copa a sua casa. Diante dos campeões do Mundo, o México fez um jogo histórico. Jogou bem, criou chances, deu um calor que a Alemanha não estava acostumada a sofrer. Venceu por 1 a 0, em um jogo que ficou mais perto de marcar o segundo do que da Alemanha de marcar o seu primeiro. Sai de campo com um resultado que é enorme pensando em classificação, mas também enorme para a sua história e das Copas do Mundo.

LEIA TAMBÉM: A categoria de Kolarov, que valeu tanto à Roma, agora garante um gol memorável à Sérvia

Início movimentado

Os minutos iniciais tiveram o México dando calor na Alemanha, com Hirving Lozano chegando com perigo, recebendo ótimo passe de vela, cortando a marcação de Kimmich e sendo bloqueado quando ia finalizar. O México também tentou em chutes de fora da área bem perigosos.

A Alemanha respondeu com um excelente passe de Kimmich para Timo Werner e o atacante chutou cruzado, mas quase sem ângulo, mandou para fora. A Alemanha teve outro chance, novamente com Kimmich cruzando e a zaga tirando para escanteio antes de qualquer toque.

Contra-ataques mexicanos

Com uma boa troca de passes, o México chegou mais uma vez. Desta vez, o lançado foi Chicharito Hernández, mas o atacante se enrolou com a bola, cortou para o lado errado e, claro, perdeu a bola. Com muita velocidade e precisão nos passes, o México conseguia chegar ao ataque com perigo. Lozano chegou em contra-ataque, cortou para dentro como é sua característica, mas não teve espaço para finalizar. O chute de Layún, que recebeu a bola e chutou por cima.

O contra-ataque mexicano estava armado. Vela teve outra chance depois de uma furada no meio, aproveitando o espaço nas costas da defesa alemã. Só que o camisa 11 não conseguiu aproveitar e desperdiçou mais uma chance de um bom ataque. E foi assim diversas vezes. Os mexicanos chegaram com perigo várias vezes, mesmo sem conseguir finalizar. Eram cruzamentos passando a área, ou contra-ataques que morriam antes da finalização

Isso até os 35 minutos. Foi quando o ataque mexicano emplacou mais um contra-ataque, desta vez encontrando Chicharito e o atacante segurou a bola e esperou por Hirving Lozano, que recebeu e, em vez de chutar de primeiro, cortou a marcação, puxando para o pé direito, e finalizou com força: 1 a 0 para El Tri.

Boa marcação mexicana

Aos 38 minutos, a Alemanha conseguiu responder. Toni Kroos acertou um chute forte no travessão, assustando Ochoa. Só que mesmo tentando ficar ainda mais no campo de ataque, os alemães sentiram dificuldades em criar chances. A marcação do México do Profe Osorio era boa.

No segundo tempo, a Alemanha, como esperado, tentava chegar mais, mas batia na defesa do México. Enquanto isso, os mexicanos continuavam armados para contra-ataques. E levando perigo. Em um dos lances, Chicharito Hernández recebeu e tinha Vela ao lado, em boa posição, mas ele tocou errado e desperdiçou.

Alemanha mais ofensiva

Perdendo o jogo, Joachim Löw colocou em campo Marco Reus, que fez a sua estreia por Copas do Mundo. Ele tirou Khedira, tornando o time muito mais ofensivo. Por outro lado, Osorio tirou Vela, um atacante, e colocou Edson Álvarez, volante. Alguns minutos depois, colocou Raúl Jiménez no lugar de Hirving Lozano, que vinha sendo o nome do jogo.

Chicharito atrapalhando

Em um ataque que estava tão bem, Chicharito Hernández destoou. O camisa 14 do México atrapalhou muitas jogadas, ainda que ele tenha participado diretamente do gol e Lozano ao dar o passe a ele. Jogando centralizado no ataque, Chicharito errou passes em lances cruciais, que poderiam resultar em mais gols e, assim, decidir de vez o jogo.

Kroos, o melhor da Alemanha

Toni Kroos, da Alemanha (Photo by Alexander Hassenstein/Getty Images)

Seus chutes de fora da área foram os que mais levaram perigo ao gol mexicano. O meio-campista, mesmo sendo mais recuado, chutou seis vezes a gol, levando perigo em quase todas. Foi, aliás, quem mais chutou a gol na partida.

Osorio mexeu mal

Com o México muito perigoso nos contra-ataques, o profe Osorio mexeu mal no time. Tirou Vela e Lozano, dois dos seus jogadores mais perigosos e mais rápidos – sem dizer que são os dois melhores jogadores do time. O time recuou e perdeu a velocidade que tanto atormentava os alemães. Fazendo isso antes dos 30 minutos do segundo tempo, o México precisou aguentar um tempo grande demais de pressão, o que é sempre um risco.

Alemanha pouco criativa

Em um time com talentos, a Alemanha mostrou problemas em vencer uma defesa bem colocado como foi a do México. Aliás, talvez não esperasse pela ótima defesa do México, posicionada mais atrás que de costume. O time alemão não fez jogadas de linha de fundo e não conseguia entrar na área tocando bola. Ficou afogada entre rápidos mexicanos, que tomavam a bola e imediatamente faziam os alemães correrem como loucos para marca-los.

Pressão no final

Como esperado, nos minutos finais a Alemanha foi na base do abafa. Com Mário Gomez em campo e muitos jogadores ofensivos também, passou a pressionar com bolas na área, mas sem nada muito trabalhado e sem muitas chances claras também. Julian Brandt, outro que entrou no final, ameaçou chutando forte em um rebote, de fora da área. A bola chegou a beliscar na trave antes de sair.

FICHA TÉCNICA

Alemanha 0x1 México

Local: Estádio Luzhniki, em Moscou (RUS)
Árbitro: Alireza Faghani (IRA)
Gols: Hirving Lozano aos 35’/1T (México)
Cartões amarelos: Thomas Müller, Mats Hummels (Alemanha), Héctor Moreno, Héctor Herrera (México)
Cartões vermelhos:
nenhum

Alemanha

Manuel Neuer; Joshua Kimmich, Mats Hummels, Jérôme Boateng e Marvin Platternhart (Mario Gomez aos 34’/2T); Sami Khedira (Marco Rreus aos 16’/2) e Toni Kroos; Thomas Müller, Mesut Özil e Julian Draxler; Timo Werner (Julian Brandt aos 41’/2T). Técnico: Joachim Löw

México

Guillermo Ochoa; Carlos Salcedo, Hugo Ayala, Héctor Moreno e Jesús Gallardo; Héctor Herrera e Andrés Guardado (Rafael Marques aos 29’/2T); Miguel Layún, Carlos Vela (Edson Alvarez, 13’/2T) e Hirving Lozano (Raúl Jiménez aos 21’/2T); Javier Chicharito Hernández. Técnico: Juan Carlos Osorio


Os comentários estão desativados.