Era para ser mais uma noite de festa no Estádio Azteca, em Guadalajara. Era para ter sido um passo importante do México para avançar rumo a Copa do Mundo de 2014.

Estava tudo pronto para uma comemoração, mas havia um outro time valente do outro lado: Honduras peitou os mexicanos, calou o Azteca e de virada, ultrapassou também a Tri na classificação das Eliminatórias da Concacaf.

Ao fazer 2 a 1 nos donos da casa, a seleção hondurenha também encaminhou sua vaga direta para a Copa. Jerry Bengtson e Carlos Costly marcaram os gols visitantes enquanto Oribe Peralta anotou para o México.

O resultado complicou demais a vida dos mexicanos na competição. Caindo para a quarta colocação com 8 pontos, o México viu Honduras tomar o terceiro posto e de quebra vê o Panamá de perto, com 7. Apenas três países se classificam de forma direta. O quarto pega repescagem e enfrentará a Nova Zelândia.

Há tempos o México não sabe o que é passar por isso. Presente em todas as copas desde 1994 (foi banido das eliminatórias em 1990 por escalar jogadores de idades superiores em competições juvenis), a Tri tem sido uma das maiores forças do continente ao lado dos Estados Unidos e pela primeira vez em muito tempo corre o sério risco de ficar de fora. E isso na bola.

A péssima fase custou caro ao treinador José Manuel De la Torre, que foi demitido horas após a derrota para Honduras e será substituído por Luis Fernando Tena, auxiliar de De la Torre e técnico que conquistou a medalha de ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

Com o Panamá e a Costa Rica pela frente, o México terá de suar sangue para tentar sair desse aperto. Agora é hora de grandes mudanças.