Lionel Scaloni divulgou a convocação da Argentina para a próxima Data Fifa, em seus últimos amistosos antes da Copa América. E para surpresa de absolutamente ninguém, a novidade mais comentada é o retorno de Lionel Messi à Albiceleste. Vez ou outra, o craque ensaia ou até mesmo anuncia o seu afastamento da equipe nacional. Contudo, a pressão por uma conquista que referende o seu talento é imensa. Terá mais uma chance no Brasil, a partir de junho. Neste mês de março, poderá se entrosar com a nova safra preparada pelo jovem treinador, seu antigo companheiro de convocações.

A lista ampla divulgada por Scaloni possui 31 nomes. Inclui não apenas os garotos que vinham ganhando espaço, mas também uma série de veteranos que seguem nos planos da equipe nacional e também jogadores dos clubes locais. Messi encabeça a velha guarda, que também inclui Nicolás Otamendi e Ángel Di María. Sergio Agüero continua de fora, assim como Gonzalo Higuaín. Já Mauro Icardi, que vinha sendo um dos líderes neste ciclo pós-Copa, acaba ignorado diante de seus imbróglios com a Internazionale.

Há outros tantos talentos na lista e será possível formar uma espinha dorsal interessante com Franco Armani, Nicolás Tagliafico, Giovani Lo Celso, Leandro Paredes, Paulo Dybala e Lautaro Martínez. Walter Kannemann mais uma vez está incluído, boa solução para os problemas recorrentes na zaga. Após longas lesões, Manuel Lanzini e Darío Benedetto também estão de volta. E há o reconhecimento a Pity Martínez, independentemente de sua transferência ao Atlanta United neste início de ano.

De qualquer maneira, impressiona a quantidade de possíveis estreantes. Oito jogadores nunca atuaram pela equipe principal da Argentina. No gol, há Juan Musso, da Udinese, que vinha em alta desde seu trabalho com o Racing, bem como o boquense Esteban Andrada. A zaga conta com o ótimo Gonzalo Montiel e Lisandro Martínez, em alta com o Defensa y Justicia. O habilidosíssimo Federico Zaracho, de 20 anos, é uma boa nova no meio após as suas grandes atuações pelo Racing. Por lá também se encontram Domingo Blanco, outro do Defensa y Justicia, e Iván Marcone, recentemente contratado pelo Boca Juniors. Já no ataque, Matías Suárez, reforço do River Plate que vinha em fase inspirada com o Belgrano é a maior surpresa.

Scaloni, aliás, manteve um discurso com os pés no chão durante a coletiva de imprensa, condizente com o momento de renovação da equipe: “Há uma Copa América adiante e temos que admitir: atualmente não somos uma potência mundial e custa competir contra as grandes seleções do mundo, mas sei que com nossa cultura podemos fazer isso. Não podemos garantir que vamos ser campeões, essa é a realidade. É complicado, temos que apelar à humildade. A ideia é trabalhar o futuro, que todos se sintam participantes e todos saibam que podem vestir a camiseta albiceleste, como por exemplo os rapazes do Defensa y Justicia”.

O treinador também esclareceu a situação de Agüero e de Icardi: “Deixo claro que minha relação com Sergio é perfeita, porque li coisas que são falsas. Eu nunca discuti com ele. Falamos em agosto, quando assumi, e sua situação não mudou. Tenho pouco a dizer sobre ele, não preciso analisá-lo porque está na vista de todos, marca gols sempre com o Manchester City. Devo ver jogadores como Matías Suárez ou Benedetto, por exemplo. Kun tem possibilidades de vir à Copa América. Quanto a Mauro, seu presente é complicado, está evidente. Com respeito ao que está se passando, ele toma suas próprias decisões com a sua gente. Não podemos nos meter. Por outro lado, temos nossas decisões e é verdade que, à seleção, não convém isso que se passa. Mauro vive um momento complicado, falei com ele sobre sua ausência e ele entendeu à perfeição”.

Por fim, Scaloni comentou a ideia de formar uma seleção composta apenas por jogadores do Campeonato Argentino, para se reunir frequentemente e realizar atividades no CT da AFA. O projeto é encabeçado por César Luis Menotti, técnico campeão do mundo em 1978 e que agora trabalha como diretor de seleções: “Pensamos com César e creio que sua figura ajuda muito em tudo isso. Nós estamos começando e poder compartilhar com ele várias conversas é muito enriquecedor. É único. Formar uma seleção com base local é uma ideia. Gostaríamos que viessem à AFA, que estivessem com a gente, que vissem vídeos. Sonhamos que muitos desses garotos possam estar no Mundial do Catar”.

A Argentina entra em campo no dia 22 de março, quando enfrenta a Venezuela no Wanda Metropolitano, em Madri. Quatro dias depois, seu compromisso é contra o Marrocos, na cidade de Tânger. A estreia na Copa América está marcada para 15 de junho, encarando a Colômbia na Fonte Nova. A Albiceleste ainda pega na fase de grupos o Paraguai (Belo Horizonte) e o Catar (Porto Alegre).