Lionel Messi conquistou a sua sexta Chuteira de Ouro e recebeu o prêmio nesta quarta-feira, 16, em Barcelona. O argentino conquistou o troféu em 2009/10, 2011/12, 2012/13, 2016/17, 2017/18 e este último, 2018/19. Cristiano Ronaldo ganhou quatro vezes, enquanto Luis Suárez, seu companheiro de Barcelona, conquistou outros dois. A conquista vem quando Messi completa 15 anos da sua estreia no time profissional do Barcelona. E em uma temporada que seu brilho individual foi o bote salva-vidas de um time que oscilou em termos de rendimento.

“Muito obrigado a todos que estão aqui; sem minha equipe nem meus companheiros não haveria conseguido nenhum dos troféus. É um reconhecimento para todo o vestiário. Até a próxima”, disse Messi.

“A Champions é algo especial e todos os anos queremos ganhar, mas La Liga é o mais importante porque te permite estar bem na Europa e na Copa. Acredito que você não pode estar bem na Champions se não está competindo na Liga e na Copa”, afirmou o capitão do Barcelona. “Embora sempre nomeemos a Champions League, não esquecemos a Liga e a Copa porque estamos no Barcelona e temos que ter ambição de ganhar tudo”.

“Como todos os prêmios individuais, este eu consegui graças a meus companheiros. É um reconhecimento a eles”, disse o treinador depois de receber o prêmio das mãos dos seus dois filhos, Mateo e Thiago.

Ele respondeu sobre descanso, sono e alimentação. “Eu dou muita importância ao tema do travesseiro, mas ao dormir pode passar um caminhão ao lado que eu não acordo”, disse o camisa 10 do Barcelona. “Eu sou muita importância para a alimentação, descansar. Eu digo aos meus filhos que precisam comer bem, é difícil que eles comam verduras e esse tipo de coisas. Thiago come, Mateo…”, comentou Messi.

A temporada 2018/19 teve o Barcelona com atuações abaixo do que se esperava. O técnico Ernesto Valverde é muito criticado desde então pelo rendimento ruim do time, especialmente no aspecto coletivo. Messi foi individualmente brilhante, com 51 gols e 22 assistências em 50 jogos. Acaba como artilheiro da temporada (contam apenas os gols por ligas nacionais, sendo que as cinco principais ligas têm pontuação maior que as demais) e vencedor de um prêmio individual, como foi com o prêmio The Best, da Fifa.

Aos 32 anos, Messi é o capitão do Barcelona desde a temporada passada, depois da saída de Andrés Iniesta do clube. Age como um líder: oferece o prêmio, ainda que individual, aos companheiros que o possibilitaram estar nessa posição. Ele, claramente, é o principal jogador do time, ainda mais pelos problemas que a equipe vem sentindo.