Messi sai do banco no segundo tempo e transforma jogo difícil com o Betis em goleada para o Barça

Buscando dar fim a uma sequência de quatro jogos sem vitórias em La Liga, o Barcelona teve um compromisso complicado neste sábado. Recebeu o Betis no Camp Nou e travou um duelo equilibrado no primeiro tempo, com chances para ambos os lados e um gol para cada. Messi, que havia começado no banco, voltou do intervalo direto para o gramado e, por fim, acabou fazendo a diferença aos blaugranas, que construíram uma convincente goleada por 5 a 2 que poderia ser até maior, não tivesse Griezmann desperdiçado um pênalti na primeira etapa.

[foo_related_posts]

A partida foi bastante aberta nos primeiros 20 minutos. Ambas as equipes criavam chances e pareciam capazes de marcar. O Betis ameaçava bastante pelas pontas, especialmente na esquerda, com as subidas do lateral Álex Moreno. Sua melhor chance no período, no entanto, veio em bola parada, quando William Carvalho cabeceou com força após cobrança de escanteio e forçou Ter Stegen a uma grande defesa.

Já o Barcelona, com Ansu Fati e Griezmann no ataque e Dembélé pelas pontas, apostava na troca de passes rápidos e na movimentação de seus jogadores ofensivos para criar suas chances. Aos cinco minutos, em duas jogadas consecutivas, os blaugranas estiveram perto de marcar com Griezmann, que recebeu de Fati e bateu forte, à direita do gol de Bravo, e com o próprio Fati, em chute cruzado, de chapa, que foi à esquerda do gol do Betis.

Gradativamente o Barcelona foi tomando conta do jogo, criando as melhores oportunidades e, aos 22 minutos, chegou a seu gol. Dembélé recebeu de Griezmann pela direita e, no um contra um com o zagueiro, puxou para a perna esquerda e bateu com força, no ângulo superior direito de Bravo, para fazer um belo gol.

A partir do gol, o Betis perdeu ímpeto, e o Barça aumentou a frequência de seus ataques. Aos 27, após bela jogada coletiva, Pedri tocou de letra para Griezmann, que bateu com perigo à direita do gol. Aos 31, em bola cruzada para a área, Fati apareceu para finalizar, mas foi tocado por Mandi, de carrinho, e o pênalti foi marcado. Griezmann foi para a cobrança, mas parou em grande defesa de Bravo, que se esticou à direita para espalmar.

O Betis conseguiu enfim reagir com uma boa chance aos 39 minutos, mais uma vez em subida de Álex Moreno. O lateral cruzou rasteiro para a área, e Tello, ex-Barça, chutou ligeiramente por cima do gol de Ter Stegen. Já nos acréscimos do primeiro tempo, aos 47 minutos, chegaria ao empate. Em contra-ataque pela esquerda puxado por Canales, Tello recebeu na ponta e cruzou para a área. Canales tentou o desvio, mas ele sobrou para Sanabria, que fuzilou o gol de Ter Stegen para balançar a rede.

Poupado no primeiro tempo, Lionel Messi voltou do intervalo já como titular, substituindo Ansu Fati, e sua presença seria a engrenagem final para fazer deslanchar o ataque do Barça, que já fazia boa partida. Logo aos três minutos, o argentino teve sua primeira participação determinante. Alba cruzou baixo, e o camisa 10 fez um corta-luz brilhante para tirar um defensor e o goleiro da jogada e deixar Griezmann livre para finalizar para o gol vazio.

Aos 13 minutos, Messi, trabalhando bem em conjunto com Grizou, recebeu um passe em profundidade do francês dentro da área, de costas para o gol, ajeitou o corpo e tocou para Dembélé. O ponta bateu forte para o gol, mas Mandi, em cima da linha, interceptou. Como confirmou o VAR, o zagueiro usou o braço direito para evitar o tento, cometeu o pênalti e, consequentemente, acabou expulso. Na cobrança, Messi bateu no ângulo superior esquerdo de Bravo, sem chances ao ex-companheiro.

O português Francisco Trincão ganhou sua chance de participar da vitória a partir dos 21 minutos do segundo tempo, entrando no lugar de Dembélé, e aproveitou a oportunidade. Seu primeiro lance de perigo foi aos 25 minutos, quando fez uma boa corrida para a área, recebeu um lançamento pelo alto de Busquets e esteve perto de marcar, mas não conseguiu acertar a bola.

O Betis, mesmo com um a menos, ameaçou uma recuperação na partida. Aos 29 minutos, Álex Moreno, de novo ele, causou um alvoroço na zaga do Barça ao subir pela esquerda, atrair a marcação e tocar para Loren, livre, fazer o 3 a 2. No entanto, a reação pararia por aí.

Aos 37 minutos, Trincão tocou para Messi pela direita, o argentino tabelou com Sergi Roberto, recebeu de volta de calcanhar e chutou forte e alto, na saída de Bravo, para fazer o 4 a 2. Por fim, aos 45, Trincão abriu com Roberto pela direita, e o lateral cruzou baixo, para a segunda trave, onde Pedri apareceu para completar para a rede e fechar o placar.

Em um confronto entre duas das equipes mais ofensivas de La Liga, a expectativa era por muitos gols, e não houve espaço para decepção. O Barça poderia ter tido uma partida mais equilibrada, contendo melhor os avanços do Betis sobretudo com Álex Moreno, mas compensou sua vulnerabilidade defensiva com uma atuação contundente no ataque, criando diversas oportunidades ao longo do jogo.

A entrada de Messi, é claro, foi o diferencial entre o que poderia ter sido uma vitória suada e magra e a goleada que se viu. O argentino serviu de peça de ligação para dar mais coesão ao ataque blaugrana, e poucos no mundo são capazes de fazer isso com tamanha qualidade quanto o camisa 10 culé.

Com o triunfo, o Barcelona deu fim a uma sequência de quatro jogos sem vitórias em La Liga. Nas quatro rodadas anteriores, havia sido derrotado por Getafe e Real Madrid e empatado com Sevilla e Alavés. A inconstância das últimas temporadas ensina que é melhor ser cuidadoso nos prognósticos sobre os culés, mas o nível apresentado neste sábado dá, sim, esperança por boas atuações nas semanas seguintes.