Lionel Messi tem sido a voz do Barcelona há algum tempo e tem falado grosso depois da perda do título espanhol para o Real Madrid, confirmada na última semana. Neste domingo, o Barcelona encerrou a sua participação em La Liga com uma goleada sobre o Alavés. Apesar disso, o atacante terminou como artilheiro e líder em assistências, algo que ele deixou em segundo plano.

Messi terminou com 25 gols em 33 jogos disputados. Karim Benzema foi o segundo, com 21 gols em 37 jogos. Em assistências, Messi liderou a tabela com 21 passes para gols nos mesmos 33 jogos. O segundo colocado foi Mikel Oyarzabal, da Real Sociedad, fez 11 assistências em 37 jogos. O terceiro colocado, Santi Cazorla, fez oito assistências em 34 jogos.

“Os prêmios individuais são secundários. Poderia ser uma marca muito importante pelo significado, mas eu gostaria que fosse acompanhado de La Liga, como outras vezes”, afirmou o camisa 10. “Acredito que precisamos um pouco de tranquilidade durante esta parada para limpar a cabeça e voltar com mais vontade que nunca. Não há nada mais a falar e sim que demonstrar”.

O argentino foi bastante crítico da gestão do clube e fez críticas também ao técnico Quique Setién, ainda que de forma bastante indireta. Neste domingo, depois do jogo, em Mendizorroza. “Foi respondido de outra maneira em atitude e compromisso, que é o primeiro o que tem que ser feito. Em vontade, ninguém pode nos vencer e então o jogo será uma consequência”, afirmou o capitão do treinador.

O jornal espanhol El País relata, citando a Radio Catalunya, que Messi e Setién se reuniram no sábado, de uma forma pacificadora. “Devemos ser muito mais regulares. Como dizia o técnico, tivemos minutos e partidas muito boas, e isso temos que manter”, disse ainda Messi. “O principal é fazer autocrítica de portas para dentro. Nos demos conta de coisas e este é um passo importante para o que vem, que será complicado”, disse Messi, citando de forma indireta o próximo desafio do time, a Champions League.

Setién também falou sobre a vitória e o futuro, especialmente o final desta temporada diferente pela pandemia do coronavírus e que terminará em agosto, quando normalmente a temporada está começando. “Temos falado e esta partida servirá para enfrentar o futuro com muito mais confiança e um estado de ânimo diferente”, afirmou o técnico.

O treinador citou também o capitão do time, Messi, e sua relação com ele. “A relação entre nós é mais ou menos como com todos. Há jogadores que são mais abertos, que se comunicam melhor, que tem mais ou menos relação. Mas com Leo é boa, de um treinador com um jogador. Com suas coisas, evidentemente”, continuou Setién.

“Leo geralmente decide onde se posicionar e faz isso muito bem. Contra o Alavés, ele fez isso nos últimos metros e um jogador com a sua capacidade, perto do gol adversário, faz o melhor porque ali é difícil receber a bola. Por vezes ele precisa voltar um pouco mais para segurar a bola e algumas vezes fora da área é mais difícil de ser marcado”, analisou o treinador.

A Champions League começa a ser decidida de novo no dia 7 de agosto. O Barcelona volta a campo no dia 8 de agosto, no Camp Nou vazio, para o jogo de volta das oitavas de final contra o Napoli. No primeiro jogo, em Nápoles, o confronto terminou empatado por 1 a 1. As últimas eliminações do Barcelona na Champions foram traumáticas. Caiu para a Roma, em 2017/18, e para o Liverpool, em 2018/19, nas duas vezes vencendo bem em casa e perdendo feio fora de casa. O desempenho do time comandado por Setién na Champions será crucial para o seu futuro.