Fadado a passar pelo menos mais uma temporada no Barcelona, Lionel Messi percebeu que é melhor que este período seja harmonioso. Em um comunicado enviado ao jornal catalão Sport, o argentino promoveu uma trégua com o clube, pedindo uma espécie de desculpa pelo tumulto, explicando sua reação após a saída de Luis Suárez e propondo a união entre todos os barcelonistas.

“Depois de tantas desavenças, eu gostaria de pôr um fim a isso. Devemos unir todos os barcelonistas e assumir que o melhor ainda está por vir”, afirmou o camisa 10.

Fazendo um mea culpa sem exatamente assumir completamente que esteve errado, Messi garantiu que o que quer que tenha feito foi pelo bem do clube. “Eu assumo os meus erros, que, se existiram, foram apenas para fazer melhor e mais forte o Barcelona. Mas, pronto, já passou, devemos nos concentrar em fazer o melhor possível.”

Messi afirma que “somar paixão e esperança será a única maneira de atingir os objetivos, sempre unidos e remando na mesma direção”, antes de falar diretamente aos associados do clube: “Queria mandar uma mensagem a todos os sócios e a todos os culés que nos seguem. Se em algum momento algo que eu tenha dito ou tenha feito possa tê-los incomodado, que não haja dúvida de que o fiz sempre com os melhores interesses do clube em mente”.

“Esta equipe dará o seu melhor, com o único objetivo de alcançar as alegrias que o futebol sempre dá a toda essa gente, nossos seguidores, que tanto merecem”, completou.

O último momento de ruído entre Messi e Barcelona aconteceu logo após a saída de Luis Suárez, que encerrou seu vínculo com o clube e acertou sua ida para o Atlético de Madrid. Em uma publicação no Instagram, Messi não escondeu seu descontentamento com o tratamento conferido ao amigo, que teria sido informado por Ronald Koeman por telefone de que não fazia parte dos planos para a temporada.

“Você merecia uma despedida condizente com quem você é: um dos jogadores mais importantes na história do clube, tendo conquistado grandes coisas pela equipe e individualmente. (…) Você não merecia que te jogassem fora como fizeram. Mas a verdade é que, a essa altura, nada mais me surpreende”, dizia um trecho do texto.

Ao Sport, Messi explicou a motivação por trás da mensagem: “Entendo que alguém pense que eu deveria me calar ou deixar passar, como tantas outras coisas que deixei, mas muitas coisas me machucaram nas últimas semanas, e essa foi minha forma de expressá-las”.

Depois das declarações do argentino, o técnico Ronald Koeman comemorou, em entrevista coletiva, o ponto final dado por Messi: “Nunca há um dia tranquilo, mas sempre é positivo que o capitão da equipe dê esta mensagem, e agora veremos se teremos um pouco mais de tranquilidade”.

Após expressar publicamente sua vontade de deixar o clube, Messi se viu forçado a permanecer até o fim do atual vínculo devido à estratosférica cláusula de rescisão de € 700 milhões de seu contrato. Em entrevista ao Goal no início de setembro, o argentino revelou sua desilusão com o clube e escancarou as desavenças com o presidente Josep Maria Bartomeu.

O mandatário do time catalão agora enfrenta um processo de possível impeachment da presidência, com o clube analisando um pedido de moção de censura que recentemente atingiu as assinaturas necessárias para que um processo formal fosse iniciado.

Entre guerra e paz, sem dúvidas o melhor caminho tanto para o clube quanto para o jogador é que este ano passe sem grandes episódios que balancem o barco.