Dentre as várias consequências sérias da pandemia do novo Coronavírus no futebol, o adiamento de grandes competições teve algum destaque. A exemplo da Eurocopa, a Copa América deste ano foi empurrada para 2021, e, embora entenda perfeitamente a decisão, Lionel Messi, que sonha com seu primeiro título com a seleção argentina principal, reconheceu que ouvir a notícia da mudança de data “foi um golpe duro”.

Ainda que defenda que não se olhe o que ficou para trás ou o que se perdeu em termos competitivos com a paralisação, falando ao blog oficial da Adidas, Messi não escondeu sua lamentação. A competição é, afinal, uma chance para o craque enfim ganhar um grande título com a Albiceleste, e disputá-la um ano mais velho diminui as chances já complicadas.

“Adiar a Copa América foi uma grande decepção, mas é claro que era de se esperar e era a coisa razoável a se fazer. Seria ser um grande evento para mim este ano, e eu estava extremamente animado para jogá-la novamente. Foi um golpe duro para mim quando soube que seria adiada, mas entendi completamente.”

No âmbito do futebol de clubes, o argentino acredita que, quando a temporada do futebol espanhol for retomada, será como começar uma campanha do zero. Terá seu lado positivo, sobretudo para o Barcelona, pensando nos jogadores que voltam de contusão, mas ainda será um desafio se colocar novamente como forte concorrente ao título.

“Quando começarmos a jogar de novo, será como começar do zero. Teremos algum tempo para nos prepararmos antes do início do campeonato e também teremos de volta jogadores-chave do nosso time que se contundiram. Tecnicamente, ainda será a mesma temporada, mas acho que cada time e jogador vai sentir que é diferente”, opinou.

Tendo tido uma experiência passada sem torcedores nas arquibancadas – o confronto entre Barcelona e Las Palmas, no Camp Nou, na temporada 2017/18, na data do referendo pela independência da Catalunha –, Messi já sabe um pouco o que esperar e garante que é uma experiência “assustadora”. Apesar disso, entende que não havia outra decisão a ser tomada.

“Fala-se em terminar a temporada do Campeonato Espanhol sem espectadores, o que traz todo um conjunto de desafios. A preparação do grupo é a mesma de qualquer outro jogo. Mas, individualmente, cada pessoa precisa se preparar e visualizar o jogo sem torcedores, pois é muito estranho. Tive que fazer isso para um jogo em casa, e foi muito assustador. Mas é normal que o campeonato retome desta forma, depois de tudo o que temos passado. Com tudo o que está acontecendo no mundo, é perfeitamente compreensível.”

Mesmo vivendo em sua bolha de jogador de futebol profissional multimilionário, o argentino demonstra não estar imune à pandemia, transparecendo em suas palavras o impacto que a crise global teve sobre ele pessoalmente.

“Eu acho que ninguém poderia ter previsto algo assim. Algumas pessoas alertaram que pandemias mundiais poderiam acontecer de tempos em tempos. Mas eu nunca poderia ter imaginado que isso se desdobraria como aconteceu, ou o enorme impacto que está tendo em praticamente todo o mundo. Viver ou trabalhar com tanta incerteza nunca é fácil, especialmente quando confrontado com uma situação tão inédita como esta”, refletiu.

Quando o futebol na Espanha de fato voltar, possivelmente a partir de 11 de junho, Messi acredita que um dos maiores desafios aos jogadores será estar mentalmente bem para os jogos, focado na partida e esquecendo o mundo do lado de fora.

“Todos nos perguntamos quando vamos voltar ao trabalho, quando vamos começar a treinar e competir novamente. Para qualquer jogador de futebol, é fundamental manter o foco quando se chega ao campo. Alguns dizem que essa força mental é 40%, 50%, ou até 60% do nosso esporte. Suponho que isso também dependa de cada jogador específico. Mas acho que (o lado mental) é muito importante e vejo um foco crescente neste tipo de preparação no mundo dos esportes profissionais.”

Pelo menos em suas palavras, Messi parece mentalmente afiado, o que é uma pena para os adversários que terá pela frente nas próximas semanas: “Tenho certeza que vai ser estranho no início, mas estou muito ansioso para começar a competir novamente”.