Mesmo terminando com nove, os leões do Athletic Bilbao tiveram bravura para vencer o Barça

Bascos bateram, mas também lutaram para segurar a vitória no primeiro jogo das oitavas de final da Copa do Rei

Leones. O apelido do Athletic Bilbao remete a San Mamés, “padroeiro do clube” que batizou o estádio basco. Construída em 1913, La Catedral era vizinha ao Asilo de San Mamés, santo que, segundo a tradição, morreu lançado aos leões. No entanto, o animal pode servir como outras referências aos bascos. Nesta quinta, por exemplo, consegue ressaltar também a valentia demonstrada pelo time de Ernesto Valverde diante do Barcelona. Os alvirrubros rugiram alto no novo San Mamés. Jogaram de maneira dura, é verdade, cometendo muitas faltas (algumas não marcadas), sem dar moleza aos blaugranas. Mas lutaram com bravura até o fim, mesmo com dois jogadores expulsos. Arrancaram a vitória por 2 a 1, valiosa nas oitavas de final da Copa do Rei, apesar do reencontro no Camp Nou.

Em um torneio no qual a intensidade se faz tão necessária, o Athletic seguiu a cartilha. Jogou com a alma. Conseguiu anular o tridente do Barcelona, em primeiro tempo no qual apenas Neymar se destacou um pouco mais. E não perdoou os erros do outro lado. Aos 25 minutos, saiu o primeiro gol com Aritz Aduriz, provando-se outra vez como um carrasco dos catalães. Depois de uma bola perdida por Iniesta, o centroavante iniciou o contra-ataque e apareceu na área para completar o cruzamento de Raúl García.

Quatro minutos depois, veio o segundo gol, em outra bobeira do Barça. Saída errada de bola que terminou de maneira fatal: Aduriz deu um lindo passe de calcanhar que Iñaki Williams completou de primeira. E, quando os blaugranas tentavam responder, preponderavam os leones. A arbitragem, que muitas vezes é complacente com os catalães, desta vez fez vistas grossas. Não cedeu a duas reclamações de pênaltis (a segunda delas, com razão aos culés) e nem viu a agressão em Samuel Umtiti, que deveria ter resultado na expulsão de Aduriz.

Na volta do intervalo, o Barcelona passou a se postar de maneira mais ofensiva. Messi recolocou sua equipe no jogo, com belo gol de falta, que contou também com a colaboração de Iraizoz. Mas ter a bola não era suficiente aos visitantes, diante da postura defensiva do Athletic. Que, sofrendo especialmente com os dribles de Neymar, ia guerreando e perdendo seus guerreiros. Aos 29, Raúl García recebeu o segundo amarelo. Seis minutos depois, foi a vez de Iturraspe sair mais cedo.

Com dois a menos, o Athletic foi obrigado a jogar com as costas contra a parede. Parecia mesmo o jogo decisivo, diante de tamanha pressão do Barcelona e tamanho esforço dos bascos. Nem Messi e suas arrancadas em diagonal conseguiu intimidar os leones. Arrancaram a vitória valiosa, mas que promete mais uma batalha para o Camp Nou. A resistência precisará durar mais noventa minutos. E, da próxima vez, com os blaugranas com mais ímpeto do que o demonstrado nesta quarta.