A estreia do Racing nos matas-mata da Libertadores 2018 já seria a ocasião perfeita para que as arquibancadas do Cilindro pulsassem mais forte nesta quinta-feira. E o encontro com o River Plate convocou a torcida racinguista em peso. Mais de 66 mil estiveram presentes no caloroso estádio e ofereceram seu apoio incondicional à Academia. Contudo, ficaram com o grito mais glorioso preso na garganta. Em 0 a 0 bastante pegado entre as duas equipes, o gol não saiu aos anfitriões porque Franco Armani negou, mais uma vez decisivo aos millonarios na competição continental.

O Racing tinha mais iniciativa na partida, mas o River Plate atacava com velocidade e conseguia criar as melhores oportunidades. Faltava um pouco mais de pontaria nas definições. No entanto, quando Gustavo Bou acertou o pé, Armani já mostrou serviço, buscando a bola no alto com grande defesa. E o primeiro tempo satisfatório aos millonarios antecedeu um problema delicado para a etapa complementar. Já nos acréscimos, o capitão Leo Ponzio deu um carrinho forte e recebeu o segundo amarelo. Deixou sua equipe com um a menos para os 45 minutos finais.

A desvantagem numérica condicionou a postura do River Plate, que passou a se resguardar mais no campo defensivo. Era um jogo quente, de adversários se estranhando e muitas jogadas travadas. O Racing tentava pressionar, só que não tinha sucesso na hora de criar oportunidades. Exceção feita a um chute para fora de Ricardo Centurión e de um tento bem anulado de Bou, poucos foram os lances de perigo. Isso até que o relógio batesse 48 do segundo tempo e Armani aparecesse de novo. Jonathan Cristaldo cabeceou com liberdade e mandou uma bola venenosa, quicando na grama. O que poderia ser um gol essencial parou no milagre do camisa 1, valendo a igualdade ao time de Marcelo Gallardo. Eduardo Coudet, frustrado pelo arqueiro em outra Libertadores quando dirigia o Rosario Central, não escondeu sua raiva depois do lance.

De melhor no Cilindro, só mesmo a festa dos torcedores do Racing, principalmente na recepção aos times, com o azul e o branco pintando as arquibancadas. O reencontro no Monumental de Núñez acontece dentro de 20 dias. Neste intervalo, as duas equipes retomam os trabalhos no Campeonato Argentino. O Racing pega Atlético Tucumán, Vélez e Patronato. Já o River encara Huracán, Belgrano e Argentinos Juniors.