À medida que o tempo passa, e seu contrato não é renovado, fica cada vez mais provável que a passagem de Dries Mertens pelo Napoli seja chegando ao fim. No entanto, o belga de 32 anos ainda tem assuntos a resolver no sul da Itália, como se tornar o maior artilheiro da história do clube. Nesta terça-feira, ele ficou muito próximo do objetivo ao anotar seu 121º gol no empate por 1 a 1 contra o Barcelona pelo jogo de ida das oitavas de final da Champions League.

Agora, ele está empatado na primeira colocação com Marek Hamsik, que deixou o Napoli para a China ano passado e tem todas as condições de se isolar na ponta durante os últimos meses da temporada. Diego Maradona segue em terceiro lugar, com 115 gols. Outros três jogadores desta geração completam o top 10: Edinson Cavani em quinto lugar, com 104 tentos; Gonzalo Higuaín, em nono, com 91; e Lorenzo Insigne, em décimo, com 86.

Foi inclusive relatado pela imprensa italiana que a proximidade do recorde foi um dos fatores que fez Mertens hesitar em sair do Napoli no último mês de janeiro, quando foi ligado a transferências para Internazionale e Chelsea. É difícil saber o quanto isso realmente pesou em sua decisão de permanecer no San Paolo até o fim do seu contrato, mas marcou contra o Barcelona seu terceiro gol em fevereiro.

Segundo a Gazzetta dello Sport, Mertens tem proposta do Napoli para renovar contrato por duas temporadas a € 4 milhões por ano, mais um € 1 milhão em bônus de desempenho, mas quer € 7,5 milhões por campanha. Ele está no clube desde 2013, quando foi contratado do PSV por aproximadamente € 10 milhões.

O recorde poderia ter chegado antes se Mertens tivesse mantido a forma dos últimos três anos, mas está um pouco abaixo nesta temporada, com números mais próximos ao momento anterior a, após a lesão de Milik, virar centroavante com Maurizio Sarri. Foi seu 12º gol em 28 partida por todas as competições, embora na Champions League esteja entre os principais artilheiros, agora com seis tentos em sete jogos.

Natural também que haja queda de rendimento em uma acidentada temporada do Napoli, que começou cheia de expectativas com Carlo Ancelotti, demitido após uma série de resultados ruins, em meio à qual houve até motim dos jogadores. O rendimento tem crescido desde a virada do ano. Os italianos chegaram à partida desta terça-feira com seis vitórias em sete partidas, ganhando os duelos mais complicados da Itália – Lazio, Internacional e Juventus – no meio do caminho.

E fizeram um jogo melhor. No encaixe com o estilo de Qique Setién, o Napoli defendeu muito atrás, com duas linhas de quatro muito próximas, o que matou o espaço onde Lionel Messi mais se sente confortável. Quando recuperava a bola, não esticava de qualquer jeito, mas tentava superar os obstáculos do Barcelona com passes curtos e jogadas combinadas.

Mas foi em uma roubada de bola no campo de ataque que saiu o gol italiano. Zielinski bateu a carteira de Junior Firpo e atravessou a área com um passe rasteiro. Pela esquerda, Mertens dominou e acertou um lindo chute colocado, alto e fora do alcance de Ter Stegen, que salvaria a pele dos catalães alguns momentos depois.

 

Talvez o Napoli pudesse ter aproveitado melhor as chances que criou no segundo tempo se ainda contasse com a precisão de Mertens, substituído por Milik aos nove minutos, pouco depois de levar uma entrada de Sergio Busquets. Sofreu um trauma no tornozelo direito, segundo nota oficial do clube. Do banco de reservas, viu o volante catalão dar o lindo passe para Semedo cruzar a Griezmann, que empatou, e Callejón, de cara com Ter Stegen, perder a oportunidade mais clara que o Napoli teve para ganhar a partida.

O gol de Mertens, porém, mantém o Napoli vivo na disputa. A partida de volta deve ter a mesma dinâmica no Camp Nou, pela característica das equipes, embora o Barcelona comece o jogo classificado pelo gol marcado fora de casa. Os visitantes precisarão do maior artilheiro da sua história ainda à disposição para aumentar as probabilidades de avançar.

Os gols de Mertens, temporada por temporada:

2013/14 – 13 gols
2014/15 – 10 gols
2015/16 – 11 gols
2016/17 – 34 gols
2017/18 – 22 gols
2018/19 – 19 gols
2019/20 – 12 gols*

*Em andamento