Poucos treinadores argentinos são tão respeitados quanto César Luis Menotti. O campeão do mundo em 1978 possui uma influência imensa sobre a maneira de se pensar o jogo no país e sua reputação vai além das fronteiras. Atual diretor de seleções da AFA, El Flaco engrossou o coro de boas vindas a Diego Maradona em sua nova empreitada. Menotti se mostrou bastante animado com a notícia de que o craque treinará o Gimnasia de La Plata e avaliou que isso trará efeitos positivos em todo o Campeonato Argentino.

“Diego não existe em outro mundo que não seja um campo de futebol e uma bola. Isso é sua vida e isso é seu sonho. Não há nada que possa impedir que Maradona esteja em um campo de jogo. Eu ficaria feliz em apenas vê-lo caminhar em campo. Tomara que possa se sentir a pleno na parte física e transmita sua ideia aos jogadores”, afirmou o veterano, durante evento que celebrava a conquista do Mundial Sub-20 de 1979.

Menotti também ressaltou a influência que Maradona deverá ter sobre jogadores e torcedores. O ex-treinador espera um clima bastante positivo para receber o craque a cada partida. Uma relação que começará logo no primeiro compromisso oficial, em 15 de setembro, quando Diego estreará à frente do Gimnasia em duelo contra o Racing.

“Não vai haver um só estádio que não estará feliz com a presença de Diego à beira do campo. Sua pessoa exerce uma palavra pela qual eu lutei por toda a minha vida: respeito. Seus antecedentes o respaldam e, a nós, jogadores, ele deu tudo. Maradona deve estar feliz como foi desde seu começo no futebol, porque com uma bola é muito mais feliz do que com um microfone ou em qualquer outra atividade. A bola e ele nasceram juntos”, complementou.

Embora não tenha levado Maradona à Copa de 1978, Menotti foi o responsável por promover a estreia do craque na seleção principal da Argentina e também o dirigiu na conquista do Mundial Sub-20 de 1979, competição que ampliou a fama do prodígio. Depois disso, também o comandou no Mundial de 1982 e trabalhou com Diego no Barcelona. O respeito ao camisa 10 impera, mais de quatro décadas depois.