Quanto mais perto chegamos do fim do Campeonato Holandês, menor é a exigência pela qualidade e pela estética dos líderes. O que importa agora é vencer, seja com gol de canela, seja por meio a zero, seja com gol contra. Ajax e PSV continuam em uma batalha acirradíssima pelo título, e o capítulo da rodada 31 teve vitória de ambos.

Neste domingo, 21 de abril, o PSV encerrou a jornada diante de sua torcida no Estádio Philips. Enfrentando o ADO Den Haag, o 12º colocado, o time de Mark Van Bommel mostrou a vivacidade e a agressividade necessárias para obter os três pontos, vencendo por 3 a 1. Com gols de Denzel Dumfries e do artilheiro Luuk De Jong, os Boeren mantiveram a mesma pontuação do rival de Amsterdã, faltando três jogos para o fim da competição.

Em questão de gols, realmente o PSV ficou devendo, mas não foi por falta de esforço. Com a bola nos pés o tempo todo, era natural que os mandantes chegassem mais ao gol dos adversários. Assim foi nas nove finalizações à meta de Robert Zwinkels. Do outro lado, Jeroen Zoet acumulava 10 jogos sem levar gols no Philips Stadion, e só foi vazado nos minutos finais, em gol de Tomas Necid, lance de puro oportunismo.

Placar construído naturalmente

Até construir efetivamente a sua vantagem e pavimentar o caminho para a vitória, o PSV não teve de fato muita dificuldade para pressionar o Den Haag, sequer criar condições para marcar. Quando abriu o placar, em gol de Dumfries, que mostrou versatilidade e habilidade para entrar na área, fintar a marcação e bater. Ao longo da Eredivisie, o PSV havia sofrido apenas cinco gols, e nada indicava que o Den Haag mudaria essa história radicalmente. Assim sendo, abrir o marcador era de vital importância para que a equipe de Eindhoven alcançasse mais esse triunfo.

A justiça passou longe do estádio a cada chance perdida pelos donos da casa. Mas era questão de tempo até que a vantagem fosse ampliada. Quando a partida já estava esfriando, Cody Gakpo desceu até o lado esquerdo da linha de fundo cruzou para trás e achou De Jong, que testou para marcar o segundo do PSV. Restavam sete minutos para o fim, então era praticamente questão resolvida, resultado coerente, disputa mantida pelo menos até o meio de semana. E estava bom assim, até para o Den Haag, sobretudo para Zwinkels, que vinha fazendo grande partida e se destacando como melhor em campo pelos cegonhas.

Buscando dar alguma emoção a um confronto insosso, o PSV relaxou e viu Necid diminuir, em um gol típico do camisa 9 tcheco: bola no vazio, um toque só, de cara para o arqueiro. Ainda que houvesse tempo para um empate, não parecia que os visitantes iriam cometer o tal crime em Eindhoven.

A tranquilidade do PSV era grande e, mesmo com o gol, o ritmo não mudou. Para não encerrar o jogo em um tom amargo, Angeliño fez das suas, carregou pela esquerda e mandou uma bola primorosa na cabeça de Donyell Malen. Apesar de não ser muito alto, Malen testou por cobertura e acompanhou a trajetória descendente da pelota. Zwinkels, que evitou gols muito mais difíceis que esse, deu um tapa e não pôde evitar o ato final da partida. Sem sombra de dúvidas, um gol esquisito.

No meio da semana, a batalha continua. O Ajax recebe o Vitesse na tarde de terça-feira, enquanto o PSV visita o Willem II na quinta. Ambos chegaram aos 77 pontos, separados apenas pelo saldo de gols (nove de diferença a favor dos Godenzonen). Depois disso, a Eredivisie retorna apenas em 12 de maio, com jogos simultâneos às 9h30. A rodada final, marcada para o dia 15, também terá partidas no mesmo horário, às 14h30. E caso a ordem natural seja mantida, o dia 15 tem tudo para ser emocionante e histórico.