La Liga atinge lucros exorbitantes. O custo? Um desmanche geral

Para pagas as contas, maior parte dos clubes espanhóis vendeu seus destaques. Como resultado, a sensação de abismo é ainda maior no campeonato

A rodada de abertura de La Liga teve um jogo simbólico. Há algum tempo, Valencia e Málaga tinham tudo para fazer um jogaço no Mestalla. Entretanto, destaques como Roberto Soldado, Isco, Tino Costa e Javier Saviola foram embora e tiveram reposições bastante aquém em nível de qualidade. Resultado: uma partida pouco empolgante, com vitória magra dos Ches por 1 a 0, gol de Ricardo Costa.

Não criar grandes expectativas dos clubes médios e pequenos, aliás, deverá ser o natural no Campeonato Espanhol. A capacidade de revelação é grande e já foi demonstrada nos últimos anos. Porém, a atuação no mercado é sintomática do enfraquecimento da maioria – exceção feita a Barcelona, Real Madrid e também Atlético de Madrid. Uma debandada geral, a partir da qual é difícil crer em uma recuperação imediata.

Dos 20 times que disputam a competição, apenas sete investiram mais na compra de jogadores do que receberam com a venda até o momento (veja a tabela abaixo). Barça e Real, obviamente, encabeçam a lista. Na sequência, também aparecem Athletic Bilbao e Villarreal, dos poucos clubes que tem uma administração sustentável em La Liga. Completam o grupo Granada, Valladolid e Elche, sendo que o déficit dos dois últimos não ultrapassa € 250 mil.

Já os outros 13 clubes têm um motivo claro para manterem um lucro tão grande no mercado: as dívidas. Equipes como o Valencia e o Málaga estão com a corda no pescoço por conta de débitos acumulados. Se os direitos de transmissão de TV beneficiam apenas merengues e blaugranas, as outras equipes precisam encontrar uma maneira de fechar suas contas, quase sempre apelando à venda de seus destaques. Um cenário de crise que, aliás, lembra bastante o futebol brasileiro no início dos anos 2000.

Saldo dos clubes de La Liga em 2013/14 (Fonte: Transfermarkt)
Saldo dos clubes de La Liga em 2013/14 (Fonte: Transfermarkt)

Até o momento, o maior lucro é do Atlético de Madrid, € 57 milhões, possibilitado pela venda exorbitante de Radamel Falcao García e a pechincha na reposição do craque, através de David Villa. Porém, espanta que outros clubes que são candidatos à classificação à Liga dos Campeões, como Real Sociedad, Valencia, Málaga e Sevilla, tenham preferido manter o caixa positivo a fortalecer o elenco. Mais uma prova dos efeitos dessa disparidade.

Entre chegadas e saídas, os números são próximos. Ao todo, 219 jogadores foram vendidos pelos clubes de La Liga, enquanto 217 foram contratados. O que vale ponderar é justamente o peso dos nomes que vieram. Tirando Real Madrid, Barcelona e Atlético de Madrid, seis jogadores foram vendidos por mais de € 10 milhões. Em compensação, nenhum foi trazido – o teto é de € 8 milhões, pago por Dorlan Pabón (Valencia) e Beñat (Athletic Bilbao).

Como resultado, La Liga acumula até agora um lucro total no mercado de € 139 milhões, o maior de sua história. As vendas ultrapassaram os € 400 milhões, superiores às de qualquer outro país nesta janela. Todas as outras grandes ligas europeias apresentam déficit justamente por conta do investimento mais alto em contratações. O Campeonato Holandês e o Português são os que mais se aproximam do Espanhol, ainda que acumulando lucros menores. No fim das contas, quais os efeitos disso? Menos competitividade na liga que cada vez mais não vai além de Barcelona e Real Madrid.

O saldo das principais ligas europeias em 2013/14:

1º – Espanha: Gastou € 270 milhões / Ganhou € 407 milhões / Saldo de + € 137 milhões
2º – Holanda: Gastou € 28 milhões / Ganhou € 122 milhões / Saldo de + € 94 milhões
3º – Portugal: Gastou € 59 milhões / Ganhou € 109 milhões / Saldo de + € 50 milhões
4º – Rússia: Gastou € 193 milhões / Ganhou € 169 milhões / Saldo de – € 24 milhões
5º – Itália: Gastou € 330 milhões / Ganhou € 294 milhões / Saldo de – € 36 milhões
6º – Turquia: Gastou € 72 milhões / Ganhou € 23 milhões / Saldo de – € 49 milhões
7º – Alemanha: Gastou € 240 milhões / Ganhou € 190 milhões / Saldo de – € 50 milhões
8º – Ucrânia: Gastou € 133 milhões / Ganhou € 74 milhões / Saldo de – € 59 milhões
9º – França: Gastou € 324 milhões / Ganhou € 162 milhões / Saldo de – € 162 milhões
10º – Inglaterra: Gastou € 461 milhões / Ganhou € 108 milhões / Saldo de – € 353 milhões